DESEMPENHO AGRONÔMICO E AMBIENTAL DO MELÃO PRODUZIDO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

Palavras-chave: Pegada de carbono. Mudanças climáticas. Cucumis melon. Goldex.

Resumo

Esse estudo realiza avaliações agronômica e ambiental do melão amarelo, produzido em área experimental no Rio Grande do Norte, Brasil, em sistemas convencional e alternativo de cultivo baseado na rotação do melão. Dois tipos de manejo no sistema alternativo foram avaliados, considerando doze tratamentos com adubos verdes: i) incorporação ao solo da biomassa vegetal do adubo verde, e ii) manutenção dessa biomassa sobre o solo com posterior plantio do melão sobre a palhada. A avaliação agronômica baseou-se em análise estatística da produtividade, enquanto a ambiental, na análise da pegada de carbono, de acordo com a ISO 14067. A análise agronômica mostrou que a rotação de melão com milho e braquiária, obteve maior produtividade de melões tipo exportação. A avaliação da pegada de carbono dos sistemas mostrou que o sistema com rotação i) obteve a menor pegada de carbono quando comparado ao tratamento de referência. O estudo de cenários mostrou que a pegada pode ser reduzida em 42,54%, se: i) a produção ocorra em áreas já cultivadas a mais de 20 anos, ii) a quantidade de nitrogênio inorgânico aplicado seja reduzida em 50%, iii) e o melão passe a ser comercializado nos Estados Unidos. Esse trabalho mostra a importância de rotação do melão com adubos verdes para aumento da produção em região semiárida e redução da pegada de carbono.

Referências

AITA, C.; GIACOMINI, S. J.; CERETTA, C. A. Decomposição e liberação de nutrientes dos resíduos culturais de adubos verdes. In: FILHO, O. F. L. et al. (Eds.). Adubação verde e plantas de cobertura no Brasil: fundamentos e prática. 1ed. Brasília: EMBRAPA, 2014. p. 39-58.

BELO, E. S. et al. Decomposição de diferentes resíduos orgânicos e efeito na atividade microbiana em um latossolo vermelho de cerrado. Global Science and Technology, v. 05, n. 3, p. 107-116, 2012.

BRASIL, C. N. A. Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Guia de Financiamento para agricultura de baixo carbono / Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil. v. 1, p. 44, 2012.

BRASIL, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT. Inventário Brasileiro de Emissões Antrópicas por Fontes e Remoções por Sumidouros de Gases de Efeito Estufa não Controlados pelo Protocolo de Montreal. Brasília: MCT, 2010.

BRASIL, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO - MDIC. Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior). Brasília. Disponivel em: <http://comexstat.mdic.gov.br/pt/geral>. Acesso em: 29 Agosto. 2019.

CALONEGO, J. C. et al. Persistence and nutrient release from maize, Brachiaria and lablab straw. Bioscience Journal, v. 28, n. 5, p. 770-771, 2012.

COP15—COPENHAGEN, UNFCCC. Methodological guidance for activities relating to reducing emissions from deforestation and forest degradation and the role of conservation, sustainable management of forests and enhancement of forest carbon stocks in developing countries. 2009. Disponível em: <https://unfccc.int/resource/docs/2009/cop15/eng/11a01.pdf#page=11>. Acesso em: 27 out. 2018.

COSTA, N. D.; GRANGEIRO, L. C. Sistema produção Melão - Cultivares. Disponível em: <http://www.cpatsa.embrapa.br:8080/sistema_producao/spmelao/cultivares.html>. Acesso em: 29 jul. 2019.

DOLE. Carbon footprint: Initiatives at Dole Fresh Vegetables. 2019. Available at: <http://dolecrs.com/sustainability/carbon-footprint/initiatives-at-dole-fresh-vegetables/>. Accessed on: 29 July 2019.

FERREIRA NETO, A. R et al. Nitrogen fixation of Poaceae and Leguminoseae in a green manure experiment in the Brazilian semiarid region. Australian Journal of Crop Science, p. 1474-1480, 2017.

FIGUEIRÊDO, M. C. B. et al. The carbon footprint of exported Brazilian yellow melon. Journal of Cleaner Production, v. 47, p. 404-414, 2013.

FRANÇA, L. V. Viabilidade de produção de sementes de Brachiaria brizantha Stapf cv. Marandu em Cabeceiras - GO. 1º ed. Planaltina, DF: UPIS, 2005. 35 p. (Boletim técnico).

FRISCHKNECHT, R.; JUNGBLUTH, N. Ecoinvent e Overview and Methodology. Swiss Center for Life Cycle Inventories, Dubendorf. 2007.77 p.

GIONGO, V. et. al. Soil management systems for sustainable melon cropping in the submedian of the São Francisco Valley. Revista Caatinga, v. 29, n. 3, p. 537-547, 2016.

GOEDKOOP, M.et al. SimaPro Tutorial. Netherlands: Pré-Consultants, 2014.

INGWERSEN, W. Life cycle assessment of fresh pineapple from Costa Rica. Journal of Cleaner Production, v. 35, p. 152-163, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Sistema IBGE de Recuperação Automática - SIDRA: Agropecuária: Produção Agrícola Municipal. 2017. Disponível em: ttp://www.sidra.ibge.gov.br/Tabela/1612> Acesso em: 26 Agosto. 2019.

INTERNATIONAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (IPCC), 2006. Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories. IPCC, Geneva. Available at: <http://www.ipcc-nggip.iges.or.jp/>. Accessed on: 20 February 2014.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION - ISO 14067:2013 - Greenhouse gases – Carbon footprint of products – Requirements and guidelines for quantification and communication. Geneva: ISO 14067, 2013.

JEUFFROY, M. H. et. al. Nitrous oxide emissions from crop rotations including wheat, rapeseed and dry peas. Biogeosciences, v.10, p. 1787-1797, 2013.

KHOSHNEVISAN, B. et al. Environmental impact assessment of open field and greenhouse strawberry production. European Journal of Agronomy, v. 50, p. 29-37, 2013.

NEMECEK, T. el al. Designing eco-efficient crop rotations using life cycle assessment of crop combinations. European Journal of Agronomy, v. 65, p. 40-51, 2015.

NEMECEK, T. et.al. Environmental impacts of introducing grain legumes into European crop rotations. European Journal of Agronomy, v. 28, p. 380-393, 2008.

SANTOS, T. L. et al. Cleaner fruit production with green manure: The case of Brazilian melons. Journal of Cleaner Production, v. 181 p. 260-270, 2018.

SILVA, A. R. C. Acúmulo de matéria seca e nutrientes em plantas de cobertura do solo e meloeiro em sistemas de cultivo. 2015. 81 f. Tese (Doutorado em Agricultura Tropical) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2015.

SOUZA, F. H. D. et al. Produção de sementes de Guandu. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 2007. 68 p.

TABATABAIE, S. M. H.; MURTHY, G. S. Journal of Cleaner Production, v. 127, p. 548-554, 2016.

TESCO. Little helps plan: working together to make a big difference. 2017. Disponivel em: <https://www.tescoplc.com/media/468161/little-helps-plan_online.pdf>. Acesso em: 29 July 2019

VALENTINI, L. et al. Produção de sementes de milho variedade para uso próprio em propriedades de microbacias hidrográficas. Niterói, RJ: 2009. 16 p (Programa Rio Rural-Manual Técnico, 15).

Publicado
2019-11-19
Seção
Agronomia