VARIABILIDADE ESPACIAL DA CONDUTIVIDADE HIDRÁULICA SATURADA DO SOLO SOB CULTIVO DE CACAU NO RECÔNCAVO BAIANO

  • Gerlange Soares da Silva Postgraduate Program in Agricultural Engineering, Nucleus of Water and Soil Engineering, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, BA http://orcid.org/0000-0002-0254-2159
  • Jucicléia Soares da Silva Brazilian Agricultural Research Corporation - Embrapa Semi-Árido, Petrolina, PE http://orcid.org/0000-0003-3409-0326
  • Francisco Adriano de Carvalho Pereira Postgraduate Program in Agricultural Engineering, Nucleus of Water and Soil Engineering, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, BA http://orcid.org/0000-0002-3528-3261
  • Rodrigo Almeida Santana Center for Agrarian, Environmental and Biological Sciences, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, BA http://orcid.org/0000-0002-2293-5996
  • Rafael Silva Firmo Center for Agrarian, Environmental and Biological Sciences, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, BA http://orcid.org/0000-0001-5456-6446
  • Oswaldo Palma Lopes Sobrinho Postgraduate Program in Agrarian Sciences, Agronomy, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Rio Verde, GO http://orcid.org/0000-0002-4632-695X
Palavras-chave: Theobroma cacao L. Agricultura de precisão. Geoestatística. Atributos físico-hídricos do solo.

Resumo

O cultivo de cacau irrigado abriu espaço para a produção em solos de Tabuleiros Costeiros. Porém, nesta região, a camada coesa formada próxima da superfície, pode ser um fator limitante para sua produção. O conhecimento dos atributos físico-hídricos do solo possibilitará um manejo eficiente da irrigação em solos coesos. Com isso, objetivou-se caracterizar e modelar a variabilidade espacial da condutividade hidráulica saturada em Latossolo Amarelo Distrocoeso dos Tabuleiros Costeiros do Recôncavo Baiano. A amostragem de solo na estrutura indeformada foi realizada em 50 pontos espaçados de 8,0 em 8,0 m, em três diferentes profundidades na área experimental da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, em Cruz das Almas - BA, cultivada com cacau CCN 51. Determinou-se em laboratório a K0 utilizando permeâmetro de carga constante, distribuição de poros utilizando mesa de tensão e a densidade do solo. Realizou-se análises descritiva e de geoestatística. Em média os valores da K0 foram 40,41 mm h-1, 26,49 mm h-1 e 37,82 mm h-1 nas profundidades 0,0-0,15 m, 0,15-0,30 m e 0,30-0,45 m. O modelo gaussiano foi o que melhor se ajustou ao conjunto de dados da K0. Para a classe de solo avaliada, a K0 apresentou uma forte dependência espacial devido a sua relação com as propriedades físicas do solo, seu uso e manejo. Podendo assim, ser considerado um importante atributo para a delimitação de zonas homogêneas para fins de manejo sítio específicos.

Referências

ALMEIDA, K. S. S. A. et al. Variabilidade espacial da condutividade hidráulica do solo saturado em Latossolo Amarelo Distrocoeso, no município de Cruz das Almas. Irriga, v. 22, n. 2, p. 259-274, 2017.

BOTTEGA, E. L. et al. Variabilidade espacial de atributos do solo em sistema de semeadura direta com rotação de culturas no cerrado brasileiro. Revista Ciência Agronômica, v. 44, n. 1, p. 1-9, 2013.

CAMBARDELLA, C. A. et al. Field-scale variability of soil proprieties in central Iowa soils. Soil Science Society of America Journal, v. 58, n. 5, p. 1501-1511, 1994.

CARVALHO, M. P.; TAKEDA, E. Y.; FREDDI, O. S. Variabilidade espacial de atributos de um solo sob videira em Vitória Brasil (SP). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 27, n. 4, p. 695-703, 2003.

CAJAZEIRA, J. P.; ASSIS JÚNIOR, R. N. Variabilidade espacial das frações primárias e agregados de um Argissolo no Estado do Ceará. Revista Ciência Agronômica, v. 42, n. 2, p. 258-267, 2011.

CORADO NETO, F. C. et al. Variabilidade espacial dos agregados e carbono orgânico total em Neossolo Litólico Eutrófico no município de Gilbués, PI. Revista de Ciências Agrárias, v. 58, n. 1, p. 75-83, 2015.

COSTA, C. D. O. et al. Produção e deposição de sedimentos em uma sub-bacia hidrográfica com solos suscetíveis à erosão. Irriga, v. 21, n. 2, p. 284-299, 2016.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: Embrapa - SPI, 2013. 353p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. Livro técnico (INFOTECA-E). 3. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2017. 573p.

GOLDEN SOFTWARE. Surfer 11.0 - user’s guide. New York: Golden Software, 2002.

GONÇALVES, A. D. M. A.; LIBARDI, P. L. Análise da determinação da condutividade hidráulica do solo pelo método do perfil instantâneo. Revista Brasileira de Ciências do Solo, v. 37, n. 5, p. 1174-1184, 2013.

GUIMARÃES, M. J. M. et al. Balanço hídrico para diferentes regimes pluviométricos na região de Cruz das Almas-BA. Revista de Ciências Agrárias (Belém), v. 59, n. 3, p. 252-258, 2016.

GUIMARÃES, W. D. et al. Variabilidade espacial de atributos físicos de solos ocupados por pastagens. Revista Ciência Agronômica, v. 47, n. 2, p. 247-255, 2016.

IBRAHIM, M. M.; ALIYU, J. Comparison of methods for saturated hydraulic conductivity determination: field, laboratory and empirical measurements. British Journal of Applied Science & Technology, v. 15, n. 3, p. 1-8, 2016.

KOTTEK, M. et al. World Map of the Köppen-Geiger climate classification updated, Meteorologische Zeitschrift, 2006, p. 259-263.

KRUGER, B. G. et al. Spatial variability of soil physical and hydraulic properties in the southern Brazil small watershed. African Journal of Agricultural Research, v. 11, n. 49, p. 5036-5042, 2016.

LIMA, J. R. S. et al. Atributos físico-hídricos de um Latossolo Amarelo cultivado e sob mata nativa no Brejo Paraibano. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 9, n. 4, p. 599-605, 2014.

LIRA, R. A. et al. Uso agrícola e atributos físico-hídricos de solo coeso. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 9, n. 7, p. 2277-2289, 2016.

MARQUES, J. D. O. et al. Avaliação da condutividade hidráulica do solo saturada utilizando dois métodos de laboratório numa topossequência com diferentes coberturas vegetais no Baixo Amazonas. Acta Amazonas, v. 38, n. 2, p. 193–206, 2008.

MELO FILHO, J. F. Variabilidade dos parâmetros da equação da condutividade hidráulica em função da umidade de um Latossolo sob condições de campo. 2002. 145 p. Tese (Doutorado em Agronomia, Área de Concentração: Solos e Nutrição de Plantas) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2002.

MESQUITA, M. G. B. F.; MORAES, S. O. A dependência entre a condutividade hidráulica saturada e atributos físicos do solo. Ciência Rural, v. 34, n. 3, p. 963-969, 2004.

RAMOS, B. Z. et al. Avaliação dos atributos físico-hídricos em um Latossolo Vermelho distroférrico sob diferentes sistemas de manejo-Lavras/Minas Gerais/Brasil. Revista de Ciências Agrárias, v. 36, n. 3, p. 440-446, 2013.

REZENDE, J. O. et al. Citricultura nos solos coesos dos Tabuleiros Costeiros; análise e sugestões. Salvador, Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária, 2002. 97p. (Série Estudos Agrícolas, 3).

ROBERTSON, G. P. GS+ geostatistics for the environmental sciences: GS+ user’s guide. Plainwell: Gamma Design Software, 1998, 152 p.

SOUZA, Z. M. et al. Dependência espacial da resistência do solo à penetração e teor de água do solo sob cultivo de cana-de-açúcar. Ciência Rural, v. 36, n. 1, p. 128-134, 2006.

SOIL SURVEY STAFF. Keys to Soil Taxonomy. 12. ed. USDA-Natural Resources Conservation Service, Washington, DC. 372 p. 2014.

STEFANOSKI, D. C. et al. Uso e manejo do solo e seus impactos sobre a qualidade física. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 17, n. 12, p. 1301-1309, 2013.

VIEIRA, S. R. et al. Geostatistical theory and application to variability of some agronomical properties. Hilgardia, v. 51, n. 3, p. 1-75, 1983.

VIEIRA, S. R. Geoestatística em estudos de variabilidade espacial do solo. In: NOVAIS, R. F.; ALVAREZ, V. H.; SCHAEFER, C. E. G. R. (Eds.). Tópicos em ciência do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2000. v. 1, 352p.

WARRICK, A. W.; NIELSEN, D. R. Spatial variability of soil physical properties in the field. In: HILLEL, D. (Ed.). Applications of soil physics. New York: Academic, 1980. cap. 2, p. 319-344.

YOUNGS, E. G. Hydraulic conductivity of saturated soils. In: SMITH, K. A.; MULLINS, C. E. (Ed.). Soil analysis: physical methods. New York: Marcel Dekker, 1991. cap. 4, p. 161-207.

Publicado
2019-08-27
Seção
Engenharia Agrícola