ATIVIDADE ENZIMÁTICA DE SOLOS DO BIOMA CAATINGA COM E SEM AÇÃO ANTRÓPICA

Palavras-chave: ATIVIDADE ENZIMÁTICA DE SOLOS DO BIOMA CAATINGA COM E SEM AÇÃO ANTRÓPICA

Resumo

A Caatinga, bioma exclusivamente brasileiro vem sofrendo elevada ação antrópica, o que interfere diretamente na qualidade de seu solo. Para avaliar e acompanhar a qualidade do solo vem-se utilizando indicadores químicos e biológicos, com a determinação da atividade enzimática, ganhando destaque. Neste sentido, objetivou-se avaliar a atividade enzimática de solos do bioma Caatinga em áreas preservadas e antropizadas, pertencentes ao Parque Nacional do Catimbau, situado em Pernambuco, Brasil, nos dois períodos do ano (chuvoso e seco), por três anos consecutivos, 2014, 2015 e 2016. Foram avaliadas as atividades enzimáticas de b-glicosidase, urease, arilsulfatase, fosfatase ácida e alcalina de solos. A ação antrópica proporcionou redução das atividades enzimáticas de b-glicosidase, urease e arilsulfatase. Entre os períodos do ano, o seco apresentou menores valores de atividade enzimática de b-glicosidase, urease e arilsulfatase. Entre os anos de avaliação, ao correlacionar a precipitação acumulada e a atividade enzimática, as maiores correlações foram observadas na área preservada em ambos períodos do ano. Comprovou-se a fragilidade dos solos da Caatinga sob a ação antrópica em ambas as estações dos períodos do ano, ao longo do tempo. A antropização crescente de áreas do Parque Nacional do Catimbau apresenta efeito direto na qualidade do solo, afeta seu equilíbrio ecológico, causando a sua degradação e redução de sua qualidade. Tornam-se necessárias medidas urgentes de fiscalização adequada para garantir a sua preservação ambiental.

Referências

ALTHOFF, T. D. et al. Climate change impacts on the sustainability of the firewood harvest and vegetation and soil carbono stocks in a tropical dry forest in Santa Terezinha Municipality, Northeast Brazil. Forest Ecology and Management, 360: 367-375, 2016.

BALOTA, E. L. et al. Coyne Soil microbial properties after long- term swine slurry application to conventional and no-tillage systems in Brazil. Science of the Total Environment, 490: 397-404, 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Caatinga. Brasília: MMA-Ministério do meio ambiente, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018.

CARNEIRO, M. A. C. et al. Carbono orgânico, nitrogênio total, biomassa e atividade microbiana do solo em duas cronosseqüências de reabilitação após a mineração de bauxita. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 32: 621-632, 2008.

CORDEIRO, M. A. S.; CORÁ, J. E.; NAHAS, E. Atributos bioquímicos do solo rizosferico e não rizosferico de culturas em rotação no sistema de semeadura direta. Revista Brasileira de Ciências do Solo, 36: 1794-1803, 2013.

DONI, S. et al. Isoelectric focusing of β-glucosidase humic-bound activity in semi-arid Mediterranean soils under management practices. Biology and Fertility of Soils, 48: 83-190, 2012.

EIVAZI, F.; TABATABAI, M. A. Glucosidases and galactosidases in soils. Soil Biology and Biochemistry, 20: 601-606, 1988.

EIVAZI, F.; TABATABAI, M.A. Phosphatases in soils. Soil Biology Biochemistry, 9: 167-172, 1977.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2ª edição revisada e ampliada. Brasília, DF: EMBRAPA, 2009. 627 p.

FABRICANTE, J. R.; ANDRADE, L. A. Estrutura e dinâmica de populações infestantes de Parkinsonia aculeata L. (Fabaceae) em áreas de Caatinga, Brasil. Gaia Scientia, 8: 326-337, 2015.

FERREIRA, E. P. B.; STONE, L. F.; MARTIN-DIDONET, C. C. G. Population and microbial activity of the soil under an agro-ecological production system. Revista Ciência Agronômica, 48: 22-31, 2017.

FIGUEIREDO, M. E. O. et al. Potencial da madeira de Pterogyne nitens Tul (madeira-nova) para produção de carvão vegetal. Ciência Florestal, 19: 420-431, 2018.

HERBIEN, S. A.; NEAL, J. L. Soil pH and phosphatase activity. Communications in Soil Science and Plant Analysis, 21: 439- 456, 1990.

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO - IPA. Dados pluviométricos. 2019. Disponível em: <http://www.ipa.br>. Acesso em: 16 de set. 2019.

KÖPPEN, W.; GEIGER, R. Klimate der Erde. Verlag Justus Perthes, Gotha. Wall-Map 150 cm x 200 cm, 1928.

KANDELER, E.; GERBER, H. Short-term assay of soil urease activity using colorimetric determination of ammonium. Biology and Fertily Soils, 6: 68-72, 1988.

KUWANO, B. H. et al. Soil quality indicators in a rhodic kandiudult under differnt usesnin Northern Parana, Brazil. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 38: 50-59, 2014.

LIRA, R. B. et al. Efeitos do sistema de cultivo e manejo da Caatinga através da análise de indicadores químicos de qualidade do solo na produção agrícola da Apodi, RN. Revista Caatinga, 25: 18-24, 2012.

LV, Y. et al. Effects of sulfuric, nitric, and mixed acid rain on litter decomposition, soil microbial biomass, and enzyme activities in subtropical forests of China. Applied Soil Ecology, 79: 1-9, 2014.

MELLONI, R. et al. Características Biológicas de solos sob mata ciliar e campo cerrado no sul de Minas Gerais. Ciência Agrotécnica, 25: 7-13, 2001.

MENDES, I. C.; SOUSA, D. M. G.; REIS-JUNIOR, D. F. B. Indicadores de Qualidade de Solo: dos Laboratórios de Pesquisa para o Campo. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 32: 185-203, 2015.

MOURA, M. M. S. et al. Produção de serapilheira e suas frações em área da Caatinga no Semiárido Tropical. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3: 199-208, 2016.

NOGUEIRA, M. A.; MELO, W. J. Enxofre disponível para a soja e atividade de arilsulfatase em solo tratado com gesso agrícola. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 27: 655-663, 2003.

RAIESI, F.; BEHESHTI, A. Soil specific enzyme activity shows more clearly soil responses to paddy rice cultivation than absolute enzyme activity in primary forests of northwest Iran. Applied Soil Ecology, 75: 63-70, 2014.

ROLDÁN, A. et al. No-tillage, crop residue additions, and legume 71 cover cropping effects on soil quality characteristics under maize in Patzcuaro watershed (Mexico). Soil and Tillage Research, 72: 65-73, 2003.

SANTOS, V. M.; MAIA, L. C. Bioindicadores de qualidade do solo. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, 10: 95-223, 2013.

SOUZA, B. I.; MENEZES, R.; CÁMARA ARTIGAS, R. Efeitos da desertificação na composição de espécies do bioma Caatinga, Paraíba/Brasil. Investigaciones Geográficas, Boletín del Instituto de Geografía, 1: 45-59, 2015.

TAVARES-JUNIOR, J. B. et al. Produção de fabaceas para adubação verde no agreste paraibano. Journal of Biology & Pharmacy and Agricultural Management, 11: 47-58, 2015.

VASCONCELOS, A. D. M. et al. Caracterização florística e fitossociológica em área de Caatinga para fins de manejo florestal no município de São Francisco-PI. Agropecuária Científica no Semiárido, 13: 329-337, 2017.

YADA, M. M. et al. Atributos químicos e bioquímicos em solos degradados por mineração de estanho e em fase de recuperação em ecossistemas amazônicos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 39: 714-724, 2015.

WANG, B. et al. Changes in soil nutrient and enzyme activities under different vegetations in the Loess Plateau area, Northwest China. Catena, 92: 186-195, 2012.

Publicado
2020-02-14
Seção
Ciências Florestais