PRODUTIVIDADE DE CAROTENO EM BATATA-DOCE PELA ADUBAÇÃO POTÁSSICA E FOSFÓRICA

Palavras-chave: Ipomoea batatas. Carotenóides. Vitamina A.

Resumo

A batata-doce é um dos alimentos de maior importância no mundo. Dentre os diferentes genótipos cultivados, merece destaque aqueles de polpa alaranjada, devido a sua capacidade de fornecer quantidades adequadas de carotenóides pró-vitamina A aos seres humanos. Assim, objetiva-se com o desenvolvimento deste trabalho avaliar o efeito de adubação com potássio e fósforo sobre os teores e produtividade de carotenóides em batata-doce. Foram realizados dois experimentos em São Luis, no Maranhão em delineamento em blocos ao acaso, sendo seis tratamentos para cada um dos estudos (0, 30, 60, 90, 120 e 150 de kg ha-1 de K2O, e 0, 60, 120, 180, 240 e 300 kg ha-1de P2O5), com quatro repetições. Foi utilizada a cultivar ‘Beauregard’, que possui altos teores de carotenóides. Aos 123 dias após plantio, para ambos os experimentos, foram realizadas as colheitas das raízes, avaliando: massa fresca e seca da raiz, teor de massa seca, teores e produtividade de carotenóides totais, α-caroteno, β-caroteno, 13-cis β-caroteno e 9-cis β-caroteno. Com os dados médios das características avaliadas, realizou-se análise de variância e análise de regressão polinomial. Doses de potássio influenciaram a rendimento de carotenóides em raízes de batata-doce, sendo recomendada as doses de 73 a 77 kg ha-1 de K2O para maximizar a produção de carotenóides totais, ß-caroteno e ɒ-caroteno. Para fósforo houve influência somente para carotenóides totais, sendo recomendada a de 174,09 kg ha-1 de P2O5 para maximizar a produção desse elemento.

Referências

BAILEY, J. S. et al. An evaluation of nutritional constraints on sweet potato (Ipomoea batatas) production in the central highlands of Papua New Guinea. Plant and Soil, v. 316, n. 1-2, p. 97-105, 2009.

BERNI, B. et al. Comparison of content and in vitro bioaccessibility of provitamin a carotenoids in home cooked and commercially processed orange fleshed sweet potato (Ipomea batatas Lam). Plant Foods Human Nutrition, v. 70, n. 1, p. 1-8, 2015.

CASALI, V. W. D. Sugestão de adubação de hortaliças: In: RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ, V. V. H. Recomendação para uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais. Viçosa: CFSEMG, v. 5, 1999. cap. 18, p. 171-208.

CASTRO, B. F. et al. Produção de rabanete em função da adubação potássica e com diferentes fontes de nitrogênio. Revista de Ciências Agrárias, v. 39, s/n., p. 455-472, 2016.

COSTA, M. A. L.; ORTEGA-FLORES, C. I.; PENTEADO, M. V. C. Conversão dos isômeros do β-caroteno. Nutrire, v. 21, n. 1, p.73-86, 2001.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2 ed. Rio de Janeiro, RJ: Embrapa/CNPS, 2013. 353 p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência & Agrotecnologia, v. 38, n. 2, p. 109-112, 2014.

GAINO, N. M.; SILVA, M. V. Disponibilidade de carotenóides. Nutrire, v. 37, n. 3, p. 227-244, 2012.

GOBBO-NETO, L.; LOPES, N. P. Plantas medicinais: fatores de influência no conteúdo de metabólitos secundários. Química Nova, v. 30, n. 2, p. 374-381, 2007.

GRANT, C. Adubação para qualidade nutricionais dos alimentos. IPNI - Informações Agronômicas, nº 145, p. 14-17, 2014. Disponível em: <http://www.ipni.net/publication/ia-brasil.nsf/0/5FFABE3256066CCF83257CB30072113C/$FILE/Page14-17-145.pdf>. Acesso em: 23 mai. 2017.

KIM, H. W. et al. Effect of processing conditions on the content of cis/trans carotene isomers as provitamin A carotenoids in Korean sweet potato varieties. Food Composition and Analysis, v. 65, n. 7, p. 821-826, 2014.

KOBORI, C. N. et al. Teores de carotenóides em produtos de tomate. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 69, n. 1, p. 78-83, 2010.

MALAVOLTA, E. et al. Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. 2. ed. Revista. Atual. Piracicaba, SP: POTAFOS, 1997, 319p.

MESQUITA, S. S. et al. Carotenóides: Propriedades, Aplicações e Mercado. Revista Virtual de Química, v. 9, n. 2, p. 672-688, 2017.

MICROSOFT® EXCEL®. Microsof Office Professional Plus, Santa Rosa, California. 2007.

PACHECO, S. et al. Preparo de padrões analíticos de alta pureza usando cromatografia líquida de alta eficiência em escala analítica. In: SIMPÓSIO DE SEGURANÇA ALIMENTAR, 3., 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: SBCTA, 2010.

PIRES, P. C. C. et al. Retinol sérico, condição clínica e perfil dietético relacionado à vitamina a em pré-escolares. HU Revista, v. 40, n. 3-4, p. 157-164, 2014.

SANTOS, R.; VARGAS, G. R. Efeito da adubação potássica na produtividade da soja. Publicatio UEPG: Ciências Exatas e da Terra, Agrárias e Engenharias, v. 18, n. 2, p. 79-84, 2012.

SILVA, E. C. et al. Teores de β-caroteno e licopeno em função das doses de fósforo e potássio em frutos de diferentes genótipos de tomateiro industrial. Bioscience Journal, v. 27, n. 2, p. 247-252, 2011.

SILVA, M. L. C. et al. Compostos fenólicos, carotenóides e atividade antioxidante em produtos vegetais. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 3, p. 669-682, 2010.

SOARES, L. A. A. et al. Fitomassa e produção do girassol cultivado sob diferentes níveis de reposição hídrica e adubação potássica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 19, n. 4, p. 336–342, 2015.

SOUZA, R. S.; CHAVES, L. H. G. Doses de fósforo e potássio no desenvolvimento da cultura de Crambe abyssinica. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 11, n. 2, p. 71-75, 2016.

Publicado
2019-08-27
Seção
Nota Técnica