PRODUÇÃO DE PIMENTÃO FERTIRRIGADO SOB DIFERENTES TENSÕES DE ÁGUA NO SOLO E ADUBAÇÃO NITROGENADA

Palavras-chave: Cultivo protegido. Irrigação por gotejamento. Tensiometria.

Resumo

Tendo em vista a carência de informações técnicas sobre a lâmina de água e adubação com nitrogênio via fertirrigação em cultivo protegido para produção de pimentão na região norte do Brasil. Este trabalho foi realizado objetivando-se estudar tensões de água no solo sob diferentes doses de nitrogênio, para o cultivo de pimentão em cultivo protegido. O experimento executado em casa de vegetação na Fazenda Escola de Igarapé Açu da Universidade Federal Rural da Amazônia, no espaçamento 1,0 x 0,50 m, em delineamento de blocos casualizados, esquema fatorial 5x4, com três repetições. Os tratamentos foram constituídos por cinco tensões de água no solo (15, 25, 35, 45 e 65 kPa) e quatro doses de nitrogênio (0, 135, 265 e 395 kg ha-1). Houve interação entre os fatores tensão de água no solo e doses de nitrogênio apenas para eficiência no uso de nitrogênio, obtendo melhor índice na combinação 15 kPa de água no solo e 135 kg ha-1 de nitrogênio. Número total de frutos, comprimento e diâmetro de frutos tiveram diferença significativa apenas para as tensões de água no solo. Produção por planta, produtividade total, eficiência no uso da água foram estatisticamente significativas para as tensões de água no solo e doses de nitrogênio. Logo, recomenda-se a tensão de 15 kPa de água no solo e dose de 265 kg ha-1 de nitrogênio, para o cultivo de pimentão em ambiente protegido.

 

Referências

ALBUQUERQUE, F. S. et al. Nutrientes minerais em pimentão fertirrigado sob lâminas de irrigação e doses de potássio. Horticultura Brasileira, 30: 681-687, 2012.

ARAGÃO, V. F. et al. Produção e eficiência no uso de água do pimentão submetido a diferentes lâminas de irrigação e níveis de nitrogênio. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, 6: 207-216, 2012.

BRASIL. IBGE. Censo Agropecuário, 2006. Rio de Janeiro, p. 1-777, 2006.

CABELLO, F. P. Riegos localizados de alta frecuencia (RLAF) goteo, microaspersión, exudasión. 3ª ed. Madrid: Mundi-Prensa, 1996. 511 p.

CANTUÁRIO, F. S. et al. Podridão apical e escaldadura em frutos de pimentão submetidos a estresse hídrico e doses de silício. Horticultura Brasileira, 32: 215-219, 2014.

CARVALHO, J. A. et al. Análise produtiva e econômica do pimentão-vermelho irrigado com diferentes lâminas, cultivado em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15: 569-574, 2011.

CARVALHO, J. A. et al. Pimentão cultivado em ambiente protegido sob diferentes tensões de água no solo. Engenharia na Agricultura, 23: 236-245, 2016.

CARVALHO, K. S. et al. Cultivo de pimentão vermelho submetido a tensões de água no solo. Enciclopédia Biosfera, 9: 659-669, 2013.

DOORENBOS, J.; KASSAM, A. H. Efeito da água no rendimento das culturas. Tradução: GHEYI, H. R. et al. Campina Grande: UFPB, 1994. 306 p. (Estudos FAO: Irrigação e drenagem, 33).

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: Agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3. ed. Viçosa, MG: UFV, 2008. 242 p.

GOTO, R.; TIVELLI, S. W. Produção de hortaliças em ambiente protegido: condições subtropicais. 1. ed. São Paulo, SP: UNESP, 1998. 319 p.

HF BRASIL/CEPEA. Hortifruti Brasil. Principais características do pimentão. Disponível em: Acesso em: 01 dez. 2018.

LIMA JUNIOR, J. A. et al. Efeito da irrigação sobre o rendimento produtivo da alface americana, em cultivo protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14: 797-803, 2010.

LORENZONI, M. Z. et al. Produção de pimentão fertirrigado sob diferentes níveis de nitrogênio e potássio em ambiente protegido. In: IX Encontro Internacional de produção científica – EPCC, 2015, Maringá. Anais... Maringá: UniCesumar, 2015. n. 9, p. 4-8.

LOSS, J. B. Desenvolvimento vegetativo e produtivo do pimentão submetido a tensões de água no solo. 2017. 57 f. Dissertação (Mestrado em Produção vegetal: Área de concentração Recursos hídricos e geoprocessamento em sistemas agrícolas) - Universidade Federal do Espírito Santo, Porto Alegre, 2017.

MANTOVANI, E. C. Avalia: Programa de avaliação da irrigação por aspersão e localizada. Viçosa, MG: UFV, 2001.

MAROUELLI, W. A.; SILVA, W. L. C. Irrigação na cultura do pimentão. 1. ed. Brasília, DF: EMBRAPA HORTALIÇAS, 2012. 19 p. (Circular técnica, 101).

MAROUELLI, W. A.; SILVA, W. L. C. Irrigação e fertirrigação na cultura do pimentão. In: SOUSA, V. F.; MAROUELLI, W. A. et al. (Eds.). Irrigação e fertirrigação em fruteiras e hortaliças. Brasília, DF: Embrapa , 2014. cap. 25, p. 697-714.

MAROUELLI, W. A. Tensiômetros para o controle de irrigação em hortaliças. 1. ed. Brasília, DF: EMBRAPA HORTALIÇAS, 2008. 15 p. (Circular técnica, 57).

MONTEIRO, R. O. C. et al. Eficiência no uso da água e nitrogênio na produção de melão. Irriga, 13: 367-377, 2008.

OLIVEIRA, F. A. et al. Nutrição mineral de plantas submetido a diferentes manejos de fertirrigação. Revista Horticultura Brasileira, 33: 216-223, 2015.

PINTO, C. M. F. et al. Pimentão. In: PAULA JUNIOR, T. J.; VENZON, M. (Eds.). 101 culturas: Manual de tecnologia agrícola. Minas Gerais, BH: Epamig, 2007. cap. 83, p. 641-650.

RINCÓN, L. et al. Crecimiento y absorción de nutrientes del pimiento grueso bajo invernadero. Investigación Agraria, 10: 47-59, 1995.

ROCHA, P. A. Produção de pimentão sob diferentes estratégias de irrigação com e sem cobertura do solo, no semiárido Baiano. 2017. 58 f. Dissertação (Mestrado Profissional: Área de concentração Produção vegetal) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, Guanambi, 2017.

SEZEN, M. S. et al. Yield and quality response of drip-irrigated pepper under Mediterranean climate conditions to various water regimes. African Journal of Biotechnology, 10: 1329-1339, 2011.

TODESCHINI, M. H. et al. Eficiência de uso do nitrogênio em cultivares modernas de trigo. Bragantia, 75: 351-361, 2016.

VAN GENUCHTEN, M. Th. A closed-form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, 44: 892-898, 1980.

Publicado
2020-02-14
Seção
Engenharia Agrícola