INTERVALO ENTRE APLICAÇÕES SEQUENCIAIS PARA O CONTROLE DE CAPIM-AMARGOSO

Palavras-chave: Digitaria insularis L. Fedde. Altura de rebrote. Glyphosate. Clethodim. Paraquat.

Resumo

Para o manejo de capim-amargoso resistente ao glyphosate nos períodos de entressafra, existe a necessidade de mais de uma aplicação de herbicidas para o controle satisfatório. O objetivo deste estudo foi avaliar o intervalo em número de dias e altura do rebrote entre aplicações sequenciais no controle de capim-amargoso perenizado. Foram realizados dois experimentos, sendo o experimento 1 consistuido pela aplicação sequencial de glyphosate + clethodim (1140 + 108 g ha-1) ou paraquat (400 g i.a. ha-1) em intervalos de 10, 17, 24, 31, 38 ou 45 dias após a aplicação de glyphosate + clethodim (1140 + 108 g ha-1). O experimento 2 foi formado pela aplicação dos mesmos tratamentos herbicidas, porém considerando a altura de rebrote como critério para a segunda aplicação, sendo 2-5, 6-10, 11-20, 21-30 ou >30 cm. Nenhum tratamento resultou em controle total das plantas durante o período de avaliação dos experimentos. De forma geral, melhores resultados são obtidos com a segunda aplicação de glyphosate + clethodim em relação ao paraquat. A segunda aplicação com glyphosate + clethodim deve ser realizada entre 17 e 24 dias após a primeira aplicação, enquanto o paraquat deve ser aplicado entre 6 e 10 dias após a primeira aplicação. Ao considerar o tamanho do rebrote das plantas na segunda aplicação, o ideal é de 6-20 cm para glyphosate + clethodim e de 6-10 cm para paraquat.

 

Referências

BARROSO, A. A. M. et. al. Interação entre herbicidas inibidores da ACCase e diferentes formulações de glyphosate no controle de capim-amargoso. Planta Daninha, 32: 619-627, 2014.

CARVALHO, L. B. et al. Detection of sourgrass (Digitaria insularis) biotypes resistant to glyphosate in Brazil. Weed Science, 59: 171-176, 2011.

CONSTANTIN, J. et al. Sistemas de dessecação antecedendo a semeadura direta de milho e controle de plantas daninhas. Ciência Rural, 39: 971-976, 2009.

CORREIA, N. M.; ACRA, L. T.; BALIEIRO, G. Chemical control of different Digitaria insularis populations and management of a glyphosate-resistant population. Planta Daninha, 33: 93-101, 2015.

CORREIA, N. M.; DURIGAN, J. C. Manejo químico de plantas adultas de Digitaria insularis (L.) Fedde com glyphosate isolado e em mistura com chlorimuron-ethyl ou quizalofop-P-tefuril em área de plantio direto. Bragantia, 68: 689-697, 2009.

FIDALSKI, J.; YAGI, R.; TORMENA, C. A. Revolvimento ocasional e calagem em latossolo muito argiloso em sistema plantio direto consolidado. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 39: 1483-1489, 2015.

GAZOLA, T. et al. Características biológicas de Digitaria insularis que conferem sua resistência à herbicidas e opções de manejo. Científica, 44: 557-567, 2016.

GEMELLI, A. et al. Estratégias para o controle de capim-amargoso (Digitaria insularis) resistente ao glyphosate na cultura milho safrinha. Revista Brasileira de Herbicidas, 12: 162-170, 2013.

GILO, E. G. et al. Alternatives for chemical management of sourgrass. Bioscience Journal, 32: 881-889, 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA – INMET. Dados meteorológicos. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=estacoes/estacoesConvencionais>. Acesso em: 12 set. 2018.

LÓPEZ OVEJERO, R. F. et al. Frequency and dispersal of gliphosate-resistant sourgrass (Digitaria insularis) populations across Brazilian agricultural production areas. Weed Science, 65: 285–294, 2017.

LORENZI, H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas. 7. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Platarum, 2014. 379 p.

MACHADO, A. F. L. et al. Caracterização anatômica de folha, colmo e rizoma de Digitaria insularis (L.) Fedde. Planta Daninha, 26: 1-8, 2008.

MACIEL, C. D. G. et al. Eficiência de paraquat e MSMA isolados e associados a adjuvantes no manejo de plantas daninhas. Global Science and Technology, 4: 70-81, 2011.

MENENDEZ, J.; DE PRADO, R. Diclofop-methyl cross-resistance in a chlorotoluron-resistant biotype of Alopecurus myosuroides. Pesticide Biochemistry and Physiology, 56: 123-133, 1996.

MAROCHI, A. F. A. et al. Managing glyphosate-resistant weeds with cover crop associated with herbicide rotation and mixture. Ciência e Agrotecnologia, 42: 381-394, 2018.

MELO, M. S. C. et al. Alternativas de controle químico de capim-amargoso resistente ao glyphosate, com herbicidas registrados para as culturas de milho e algodão. Revista Brasileira de Herbicidas, 16: 206-215, 2017.

MELO, M. S. C. et al. Alternativas para o controle químico de capim-amargoso (Digitaria insularis) resistente ao glyphosate. Revista Brasileira de Herbicidas, 11: 195-203, 2012.

MONQUERO, P. A. et al. Eficiência de herbicidas pré-emergentes após períodos de seca. Planta Daninha, 26: 85-193, 2008.

OREJA, F. H.; FUENTE, E. B.; FERNANDEZ-DUVIVIER, M. E. Response of Digitaria insularis seed germination to envirolnamental factores. Crop and Pasture Sciences, 68: 45-50, 2017.

PROCÓPIO, S. O. et al. Eficácia de imazethapyr e chlorimuron-ethyl em aplicações de pré-semeadura da cultura da soja. Planta Daninha, 24: 467-473, 2006.

SILVA, A. C. et al. Análise de crescimento de Brachiaria brizanta submetida a doses reduzidas de fluazifop-p-butil. Planta Daninha, 23: 85-91, 2005.

SOCIEDADE BRASILEIRA DA CIÊNCIA DAS PLANTAS DANINHAS - SBCPD. Procedimentos para instalação, avaliação e análises de experimentos com herbicidas. 1. ed. Londrina, PR: SBCPD, 1995. 42 p.

ZOBIOLE, L. H. S. et al. Controle de capim-amargoso perenizado em pleno florescimento. Revista Brasileira de Herbicidas, 15: 157-164, 2016.

Publicado
2020-07-30
Seção
Agronomia