PROTEÍNA SOLÚVEL COMO INDICATIVO DE MANUTENÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA

Palavras-chave: Glycine max. Vigor. Composição bioquímica.

Resumo

Após a maturidade fisiológica a semente desliga-se fisiologicamente da planta, respondendo a variações climáticas que podem proporcionar decréscimo no seu vigor de forma dependente da cultivar. Desta forma, objetivou-se avaliar o comportamento de cultivares de soja quanto a variações no vigor e identificar quais os componentes bioquímicos que apresentam maior contribuição para a manutenção da qualidade fisiológica das sementes após a maturidade fisiológica. O experimento foi conduzido no município de Fraiburgo, SC, Brasil, na safra 2015/16 utilizando quatro cultivares de soja, NA 5909 RG, BMX Ativa RR, BMX Vanguarda IPRO, NS 5959 IPR. Foram avaliadas a qualidade fisiológica e a composição bioquímica nas épocas de colheita, R7, seguindo de R7 + 5 dias, R7 + 10 dias (R8), R7 + 20 dias. Os dados foram submetidos à análise de variância (teste F) e as médias comparadas pelo teste de Tukey (p<0,01). Para correlacionar a composição bioquímica e a qualidade fisiológica utilizou-se estatística multivariada. Verificou-se redução de 6% na germinação da maturidade fisiológica até R7 + 20 dias. Para o vigor, essa redução foi dependente da cultivar, enquanto a NA 5909 RG reduziu 3%, as BMX Ativa RR e NS 5959 IPRO tiveram redução de 7%. Os componentes bioquímicos, proteína solúvel, fitato, açúcar solúvel e lipídios reduziram em função das épocas de colheita, indicando o início do processo de perda de qualidade das sementes. A manutenção do vigor das sementes após a maturidade fisiológica foi dependente da cultivar. O teor de proteína solúvel pode ser utilizado como indicativo de manutenção da qualidade fisiológica de sementes de soja após R7.

Referências

BORTOLOTTO, R. P. et al. Teor de proteína e qualidade fisiológica de sementes de arroz. Revista Bragantia, v. 67, n. 2, p. 513-520, 2008.

BLIGH, E. G.; DYER, W. J. A rapid method of total lipid extraction and purification. Canadian Journal of Biochemistry and Physiology, v. 37, n. 8, p. 911-917, 1959.

BRADFORD, M. M. A rapid and sensitive method for the quantitation of microgram quantities of protein utilizing the principle of protein-dye binding. Analytical Biochemistry, v. 37, n. 8, p. 248-254, 1976.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ ACS, 2009. 395 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 45, de 17 de setembro de 2013. Brasília: MAPA: 2013. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumos-agricolas/sementes-e-mudas/publicacoes-sementes-e-mudas/copy_of_INN45de17desetembrode2013.pdf>. Acesso em: 05 set. 2018.

CLEGG, K. M. The application of the anthrone reagent to the estimation of starch in cereals. Journal of the Science of Food and Agricultural, v. 7, n. 3, p. 40-44, 1956.

CHEN, P. S. et al. Microdetermination of Phosphorus. Analytical Chemistry, v. 28, n. 11, p. 1756–1758, 1956.

DINIZ, F. O. et al. Physiological quality of soybean seeds of cultivars submitted to harvesting delay and its association with seedling emergence in the field. Journal of Seed Science, v. 35, n. 2, p. 147-152, 2013.

DELARMELINO-FERRARESI, L. M.; VILLELA, F. A.; AUMONDE, T. Z. Desempenho fisiológico e composição química de sementes de soja. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 9, n. 1, p. 14-18, 2014.

GRIS, C. F. et al. Qualidade fisiológica e teor de lignina no tegumento de sementes de soja convencional e transgênica RR submetidas a diferentes épocas de colheita. Revista Ciência Agrotecnica, v. 34, n. 2, p. 374-381, 2010.

HAGER, A. S.; MÄKINEN, O. E.; ARENDT, E. L. Amylolytic activities and starch reserve mobilization during the germination of quinoa. European Food Research and Technology, v. 239, n. 4, p. 621-627, 2014.

HAN, C. et al. Analysis of proteome profile in germinating soybean seed, and its comparison with rice showing the styles of reserves mobilization in different crops. Plos One, v. 8, n. 2, p. 1-9, 2013.

HENNING, F. A. et al. Composição química e mobilização de reservas em sementes de soja de alto e baixo vigor. Bragantia, v. 69, n. 3, p727-734, 2010.

JYOTI; MALIK, C. P. Seed deterioration: a review. International Journal of Life Sciences Biotchenology and Pharma Reserch, v. 2. n. 3, p. 374-385 ,2013.

LATTA, M.; ESKIN, M. A simple and rapid method for phytate determination. Journal Agricultural Food Chemistry, v. 28, n. 6, p. 313-315, 1980.

MARCOS-FILHO, J.; KIKUTI, A. L. P.; LIMA, L. B. Métodos para avaliação do vigor de sementes de soja, incluindo a análise computadorizada de imagens. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 102-112, 2009.

MARCOS-FILHO, J. Seed vigor testing: an overview of the past, present and future perspective. Scientia Agricola, v. 72, n. 4, p. 363-374, 2015a.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES 2015b. 660 p.

MATTHEWS, S. et al. Evaluation of seed quality: from physiology to international standardization. Seed Science Research, v. 22, n. 1, p. S69–S73, 2012.

McCREADY, R. M.; GUGGOOLZ, J.; WENS, H. S. Determination of starch and amylase in vegetables. Analytical Chemistry, v. 22, n. 9, p. 1156-1158, 1950.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOSKI, F.C.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO, J.B. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. v. 1, cap. 2, p. 1-24.

NERLING, D.; COELHO, C. M. M.; BRÜMMER, A. Biochemical profiling and its role in physiological quality of maize seeds. Journal of Seed Science, v. 40, n. 1, p. 007-015, 2018.

PEREIRA, T. et al. Physiological quality of soybean seeds depending on the preharvest desiccation. Planta Daninha, v. 33, n. 3, p. 441-450, 2015.

RABOY, V.; DICKINSON, D. B. Effect of phosphorus and zinc nutrition na soybean seed phytie acid and zine. Plant Physiology, v. 75. n. 4, p. 1094-1098, 1984.

RABOY, V. Approaches and challenges to engineering seed phytate and total phosphorus. Plant Science, v. 177, n. 4, p. 281-296, 2009.

RAO, A.C.S. et al. Cultivar and climatic effects on the protein content of soft white winter wheat. Agronomy Journal, v. 85, n. 5, p. 123-128, 1993.

ROSA, D. P. et al. Genetic diversity in soybean seed quality under different storage conditions. Semina: Ciências Agrárias, v. 38, n. 1, p. 57-72, 2017.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. 2016. Disponível em: <https://www.R-project.org/>. Acesso em: 06 jun. 2016.

SILVA, H. P. et al. Qualidade de sementes de Helianthus annuus L. em função da adubação fosfatada e da localização na inflorescência. Ciência Rural, v. 41, n. 7, p. 1160-1165, 2011.

SILVA, T. A. et al. Condicionamento fisiológico de sementes de soja, componentes de produção e produtividade. Ciência Rural, v. 46, n. 2, p. 227-232, 2016.

SMANIOTTO, T. A. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes de soja armazenadas em diferentes condições. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 4, p. 446-453, 2014.

TEDESCO, M. J.; VOLKWEISS, S. J.; BOHNEN, H. Análises de solo, plantas e outros materiais. 1. ed. Porto Alegre, RS: UFRGS, 1995. 174 p.

WANG, L. et al. Comparative proteomics analysis reveals the mechanism of pre-harvest seed deterioration of soybean under high temperature and humidity stress. Journal of Proteomics, v. 75, n. 7, p. 2109–2127, 2012.

Publicado
2019-08-27
Seção
Agronomia