DESEMPENHO DE RECEPTORAS DE EMBRIÕES NELORE PRODUZIDOS IN VITRO

Palavras-chave: Bovinos. Transferência de embriões. Produção in vitro. Taxa de gestação.

Resumo

A taxa de gestação (TG) foi avaliada após a transferência de 4321 embriões Nelore produzidos in vitro (PIV) pela empresa In Vitro Acre®, de 2015 a 2016, em seis propriedades localizadas no Acre, Rondônia e Bolívia. A TG e os efeitos da propriedade, localização, ano, estações, tempo fixo de transferência de embrião técnico, número de transferências anteriores por receptora e estágio do desenvolvimento embrionário foram analisados (Qui-quadrado - p <0,05). A TG foi semelhante nas propriedades 1, 2, 3, 4, 5 e 6 (45,85%, 42,17%, 46,81%, 46,04%, 45,74% e 43,22%, respectivamente), nas propriedades do Acre, Rondônia e Bolívia (45,16%, 46,81 % e 43,22%, respectivamente), em 2015 e 2016 (45,03% e 45,09%, respectivamente), nas águas e seca (44,15% e 45,72%, respectivamente) e entre os técnicos 1, 2 e 3 (45,19%, 46,32% e 44,18%, respectivamente) (p> 0,05). A maior TG após transferência foi observado em receptoras já utilizados uma ou duas vezes quando comparado as utilizadas de três a oito vezes (45,58%, 43,40% e 29,01%, respectivamente) (p <0,05). Blastocistos expandidos ou eclodidos levaram a maiores TG (47,35%), quando em estádio de mórula ou blastocisto (41,06%) e blastocistos (43%) (p <0,05), que não diferiram entre si (p> 0,05). Concluiu-se que a TG após a TE de embriões Nelore PIV não foi influenciada pelas propriedades, localização, ano, estações do ano e técnico que realizou TE; e foi maior após TE de blastocistos expandidos ou eclodidos para receptoras já utilizadas uma ou duas vezes para esse fim.

Referências

ANDRADE, G. A. et al. Fatores que afetam a taxa de gestação de receptoras de embriões bovinos produzidos in vitro. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v. 36, n. 1, p. 66-69, 2012.

BARBOSA, C. P.; TONIOLLO, G. H.; GUIMARÃES, E. C. Produção in vitro de embriões de bovinos da raça nelore oriundos de ovócitos de ovários com e sem corpo lúteo. Ciência Animal Brasileira, v. 14, n. 1, p. 81-90, 2013.

BELTRAME, R. T. et al. Economic optimization of the number of recipientes in bovine embryo transfer programs. Scientia Agricola, v. 64, n. 3, p. 221-226, 2007.

COLOMBO, A. H. B; ZANIBONI, L; CAVALIERI, F. L. B. Efeito do período e do número de animais na taxa de gestação de receptoras submetidas à transferência de embriões provenientes da produção in vitro. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, v. 7, n. 1, p. 11-19, 2014.

FONSECA, J. F. et al. Estádios de desenvolvimento embrionário de vacas zebuínas superovuladas. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnica, v. 53, n. 6, p. 671-676, 2001.

GONÇALVES, P. B. D.; FIGUEIREDO, J. R.; FREITAS, V. J. F. Biotécnicas Aplicadas à Reprodução Animal. 1. ed. São Paulo, SP: Livraria Varela; 2002. 340 p.

HONORATO, M. T. et al. Importância da escolha de receptoras em um programa de transferência de embriões em bovinos. PUBVET, v. 17, n. 19, p. 1-28, 2013.

LEAL, L. S. et al. Avaliação do corpo lúteo, contratilidade uterina e concentrações plasmáticas de progesterona e estradiol em receptoras de embriões bovinos. Ciência Animal Brasileira, v. 10, n. 1, p. 174-183, 2009.

MACHADO, R. Estratégias para reduzir a mortalidade embrionária em bovinos. II. Protocolo para reduzir a mortalidade embrionária em vacas de leite e em receptoras de embrião. 1. ed. São Carlos, SP: Embrapa Pecuária Sudeste, 2010. 21 p.

MELLO, R. R. C. et al. Produção in vitro (PIV) de embriões em bovinos. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v. 40, n. 2, p. 58-64, 2017.

MOSCHINI, G. A. L.; BARREIROS, T. R. R. Comparação das taxas de gestação e perdas gestacionais de embriões produzidos in vitro da raça Nellore ou cruzas Angus x Nellore. In: VI JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNEP, 6., 2016. Cornélio Procópio. Anais... Cornélio Procópio, 2016.

OLIVEIRA JÚNIOR, D. R. et al. Relação entre circunferência escrotal de touros Nellore e taxa de gestação de vacas em monta natural. Boletim de Indústria Animal, v. 73, n. 4, p. 319-328, 2008.

PALHANO, H. B. Reprodução em bovinos: fisiopatologia, terapêutica, manejo e biotecnologia. 2 ed., Rio de Janeiro, RJ: L. F. Livros; 2008. 249 p.

PEIXOTO, M. G. C. D. et al. Logistic regression analysis of pregnancy rate following transfer of Bos indicus embryos into Bos indicus and Bos Taurus heifers. Theriogenology, v. 67, n. 2, p. 287– 292, 2007.

PUPULIM, A. G. R. et al. Meio de transporte embrionário e temperatura de transporte em blastocistos bovinos produzidos in vitro. In: XXIV REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE TECNOLOGIA E EMBRIÕES, 24., Porto de Galinhas. Anais... Porto de Galinhas, 2010. p. 384.

RUBIM, M. I. B. et al. Produção in vitro de embriões e Clonagem: um caminho conhecido? Revista Brasileira de Reprodução Animal, v. 6, n. 6, p. 77-85, 2009.

SCANAVEZ, A. L.; CAMPOS, C. C.; SANTOS, R. M. Taxa de gestação e de perda de gestação em receptoras de embriões bovinos produzidos in vitro. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 65, n. 3, p. 722-728, 2013.

SILVA, J. C. F. et al. Efeito do flunixin meglumine e da somatotropina recombinante bovina sobre a taxa de gestação de receptoras bovinas de embriões fecundados in vitro. Medicina Veterinária, v. 8, n. 3, p. 11-16, 2017.

SOCIEDADE INTERNACIONAL DE TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES - IETS. Manual da Sociedade Internacional de Transferência de Embriões. 3. ed. Illinois: IETS, 1998. 180 p.

SOUZA, N. S.; ABADE, C. C. Produção in vitro de embriões bovinos: etapas de produção e histórico no Brasil. Ciência Veterinária UniFil., v. 1, n. 3, p. 95-108, 2019.

VELOSO NETO, H. F. et al. Parâmetros que afetam a taxa de prenhez de receptoras bovinas de embriões produzidos in vitro. Medicina Veterinária, v. 8, n. 3, p. 31-35, 2014.

VIANA, W. et al. Taxa de prenhez de vacas zebuínas com uso da inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em fazendas do norte de Minas Gerais. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, v. 24, n. 24, p. 1-8, 2015.

VIEIRA, R. J. Biotécnicas aplicadas à reprodução bovina: generalidades. Ciência Animal, v. 22, n. 24, p. 55-65, 2012.

Publicado
2019-11-19
Seção
Medicina Veterinária