USO DE BIOESTIMULANTES NA QUALIDADE DE FRUTOS DE TOMATEIRO SOB ESTRESSE HÍDRICO

Palavras-chave: Condição hídrica. Época de aplicação. Pós-colheita. Solanum lycopersicum L.

Resumo

Os acelerados estresses bióticos e abióticos têm diminuído a qualidade e produtividade dos produtos agrícolas. Assim, o uso de bioestimulantes vêm com a proposta de redução dos estresses sofridos pelas plantas, e consequentemente, reduzir as perdas agrícolas. O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do bioestimulantes Seed e Crop na qualidade de frutos de tomateiro, cultivar Santa Cruz Kada, induzidas ao estresse hídrico. O experimento foi conduzido em casa de vegetação. Utilizou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema trifatorial 2x2x6, sendo os fatores: época de aplicação (florescimento e frutificação), condições hídricas do solo (50% e 100% da capacidade de retenção de água no solo) e bioestimulantes (sem tratamento; Seed; Seed+ Crop1x a dose comercial; Seed+ Crop2x a dose comercial; Crop1x a dose comercial; + Crop2x a dose comercial). Em condições de deficiência hídrica, os frutos das plantas tratadas com os bioestimulantes Seed e Crop tiveram maiores valores de pH, sólidos solúveis totais e acidez titulável em comparação com as plantas que não receberam os bioestimulantes Os bioestimulantes Seed e Crop mantêm a qualidade de frutos de tomateiro até 18 dias após a colheita.

 

Referências

ALBACETE, A. A.; MARTÍNEZ-ANDÚJAR, C.; PÉREZ-ALFOCEA, F. Regulação hormonal e metabólica das relações fonte-imundície sob salinidade e seca: da sobrevivência das plantas à estabilidade do rendimento das culturas. Biotechnology Advances, 32: 12–30, 2014.

ANDERSON, G. Seawees extract shows improved fruit quality at AcLaren Vale vineyard trial. Astralian e New Zealand Grapegrower e Winemaker, 548: 17-22, 2009.

ANTHON, G. E.; LESTRANGE, M.; BARRETT, D. M. Changes in pH, acids, sugars and other quality parameters during extended vine holding of ripe 51 processing tomatoes. Journal of the Science of Food and Agriculture, 91: 1175-1181, 2011.

ARAUJO, J. C Physico-chemical and sensory parameters of tomato cultivars grown in organic systems. Horticultura Brasileira, 32: 205- 209, 2014.

BATTACHARYYA, D. et al. Seaweed extracts as biostimulants in horticulture. Scientia Horticulturae, 196: 39-48, 2015.

BRITO JUNIOR, F. P. Produção de tomate Solanum lycopersicum L.) reutilizando substratos sob cultivo protegido no município de Iranduba-AM. 2012. 60 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia: Área de Concentração Produção Vegetal) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012.

BULGARI, R. et al. Biostimulants and crop responses: a review. Biological Agriculture & Horticulture, 31: 1-17, 2015.

CALVO, P.; NELSON, L.; KLOEPPER, J. W. Agricultural uses of plant biostimulants. Plant Soil, 383: 3-41, 2014.

DU JARDIN, P. Plant biostimulants: definition, concept, main categories and regulation. Scientia Horticulturae, 196: 3-14, 2015.

ENDRES, L. et al. Gas exchange alteration caused by water deficit during the bean reproductive stage. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 14: 11-16, 2010.

ESTATCAMP. Software Action. Estatcamp - Consultoria em estatística e qualidade, São Carlos, SP, 2014. Available at: http://www.portalaction.com.br. Access on: Dec. 22, 2018.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35: 1039-1042, 2011.

FERREIRA, S. M. R. et al. Qualidade do tomate de mesa cultivado nos sistemas convencional e orgânico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30: 224-230, 2010.

FERREIRA, S. M. R. et al. Qualidade pós colheita do tomate de mesa convencional e orgânico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30: 858-869, 2012.

FRATONI, M. M. J. Nutrição potássica em tomateiro fertirrigado e cultivado em vasos contendo areia. 2014. 53 f. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia: Área de Concentração em Propagação, manejo e melhoramento genético de plantas ornamentais e frutíferas) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

GOLLDACK, D. et al. Tolerância à seca e estresse salino em plantas: desvendar as redes de sinalização. Fronteiras em Plant Science, 5: 151, 2014.

HEINE, M. J. A. et al. Número de haste e espaçamento na produção e qualidade do tomate. Revista Scientia Plena, 11: 1-7, 2015.

HELDWEIN, A. B.; BURIOL, G. A.; STRECK, N. A. O clima de Santa Maria. Ciência e Ambiente, 38: 43-58, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Levantamento sistemáticoÝa produção Agrícola: Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/2415/epag_2019_jan.pdf>. Acesso em: 09 mar. 2019.

KOETZ, M. Caracterização agronômica e °Brix em frutos de tomate industrial sob irrigação por gotejamento no sudoeste de goiás. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, 4: 14–22, 2010.

LIMA, A. A. et al. Concentração foliar de nutrientes e produtividade do tomateiro cultivado sob diferentes substratos e doses de ácidos húmicos. Horticultura Brasileira, 29: 63-69, 2011.

LIU, F. et al. Changes of tomato powder qualities during storage. Powder Technology, 204: 159-166, 2010.

MARSCHNER, P. Marschner’s mineral nutrition of higher plants. 3rd ed. Waltham: Academic Press, 2011. 672 p.

MARTINS, J. C. P. et al. Caracteristicas pós-colheita dos frutos de cultivares de melancia, submetidas à aplicação de bioestimulante. Revista Caatinga, 26: 18-24, 2013.

MEIER, U. Growth stages of mono-and dicotyledonous plants - BBCH. 2. ed. Berlin: German Federal Biological Research Centre for Agriculture and Forestry, 131, 2001.

MORETTI, C. L. Protocolos de Avaliação da Qualidade Química e Física de Tomate. Comunicado Técnico 32. Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/779806> . Acesso em: 22 fev. 2019.

MOZDZEN, K. et al. Effect of drought stress induced by mannitol on physiological parameters of maize (Zea mays L.) seedlings and plants. The Journal of Microbiology, Biotechnology and Food Sciences, 4: 86-91, 2015.

NASIR, M. U. et al. Tomato processing, lycopene and health benefits: A review. Science Letters, 3: 1-5, 2015.

OTONI, B. S. et al. Produção de híbridos de tomateiro cultivados sob diferentes porcentagens de sombreamento. Revista Ceres, 59: 816-825, 2012

PATANÈ, C. Leaf area index, leaf transpiration and stomatal conductance as affected by soil water deficit and VPD in processing tomato in semi arid Mediterranean climate. Journal of Agronomy & Crop Science, 197: 165-176, 2011.

PAULA, J. T. Qualidade pós-colheita de genótipos de tomateiro colhidos em diferentes estádios de maturação. 2012. 93 f. Dissertação (Mestardo em Fitotecnia: Área de Concentração Produção Vegetal) - Universidade Estadual do Centro-Oeste, Guarapuava, 2012.

RAMOS, A. R. P. et al. Qualidade de frutos de tomate ‘Giuliana’ tratados com produtos de efeitos fisiológicos. Semina: Ciências Agrárias, 34: 3543-3552, 2013

RINALDI, M. M. Avaliação da vida útil e de embalagens para tomate de mesa em diferentes condições de armazenamento. Boletim CEPPA, 29: 305-316, 2011.

SANTOS, J. M. S. M. et al. Qualidade pós-colheita de duas variedades de tomates. Revista Craibeiras de Agroecologia, 3: e6550, 2018.

SCHWAB, N. T. Disponibilidade hídrica no cultivo de cravina em vasos com substrato de cinzas de casca de arroz. 2011. 82 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola: Área de Concentração Engenharia de água e solo) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2011.

SILVA, J. B. C.; GIORDANO, L. B. Tomate para processamento industrial. EMBRAPA/Hortaliças, 168, 2000.

SIQUEIRA, C. W.; FARIA, A. L. Qualidade de frutos de melão amarelo cultivado em casa de vegetação sob diferentes lâminas de irrigação. Ciência e Agrotecnologia, 33: 1041-1046, 2009.

SOBREIRA, F. M. et al. Qualidade de sabor de tomates dos tipos salada e cereja e sua relação com caracteres morfoagronômicos dos frutos. Ciência e Agrotecnologia, 34: 1015-1023, 2010.

STAJCIC´, S. et al. Tomato waste: Carotenoids content, antioxidant and cell growth activities. Food Chemistry, 172: 225-232, 2015.

STEDUTO, P. et al. Crop yield response to water. Food And Agriculture Organization of the United Nations, 505, 2012.

VAN OOSTEN, M. J. et al. The role of biostimulants and bioeffectors as alleviators of abiotic stress in crop plants. Chemical and Biological Technologies in Agriculture, 4: 5, 2017.

VIEIRA, D. A. Qualidade física e química de mini-tomates Sweet Grape produzidos em cultivo orgânico e convencional. Revista Verde de AgroecologiaÞ Desenvolvimento Sustentável, 9: 100-108, 2014.

VIEITES, R. L.; DAIUTO, É. R.; FUMES, J. G. F. Capacidade antioxidante e qualidade pós-colheita de abacate 'Fuerte'. Revista Brasileira de Fruticultura, 34: 336-348, 2012.

Publicado
2020-02-14
Seção
Nota Técnica