IMPACTO DE DIFERENTES TÉCNICAS DE REVEGETAÇÃO NOS ATRIBUTOS DO SOLO E DAS PLANTAS EM UMA ZONA RIPÁRIA

Palavras-chave: Bioma cerrado. Mata ciliar. Vegetação ripícola.

Resumo

Em 2014, o planalto da Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai (BAP), Brasil, mantinha apenas 39,5% da sua cobertura vegetal nativa, em sua maioria, localizada em zonas ripárias, em geral, degradadas, em áreas de reserva legal ou em regiões sem aptidão agropecuária. Devido a carência de resultados práticos na região, de modo que os agropecuaristas pudessem embasar os projetos de recuperação de áreas degradadas, objetivou-se nesse trabalho determinar o resultado a longo prazo de três técnicas de revegetação implantados em uma zona ripária e suas contribuições sobre atributos do solo e parâmetros vegetativos, numa microbacia do município de Campo Verde, localizada na BAP. Verificou-se que, em apenas sete anos, a técnica de distribuição a lanço de uma mistura de sementes rica em espécies de plantas fixadoras de nitrogênio, com areia lavada e estopa de algodão compostada, seguida da incorporação com gradagem leve favoreceu um rápido estabelecimento das plantas. Nesse caso, o número de espécies e a diversidade florística se aproximaram aos do Cerradão Tropical, testemunha. Na técnica em que ocorreu a dominância de Brachiaria brizantha, o valor médio de estocagem de carbono total no solo (ECOT) foi significativamente maior, inferindo que zonas ripárias com maior ECOT não indicam maior diversidade de plantas. Portanto, a competição provocada pela B. brizantha pode afetar a diversidade ecológica nas áreas em processo de sucessão ecológica.

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22: 711-728, 2013.

ARAÚJO, E. A. et al. Impacto da conversão floresta-pastagem nos estoques e na dinâmica do carbono e substancias húmicas do solo no bioma Amazônico. Acta amazônica, 41: 103-114, 2011.

ATTANASIO, C. M. et al. P. A importância das áreas ripárias para a sustentabilidade hidrológica do uso da terra em microbacias hidrográficas. Bragantia, 71: 493-501, 2012.

BELAN, H. C.; PIRES, M. S.; NASCIMENTO, A. R. T. Regeneração lenhosa em pastagem abandonada em área de floresta estacional decidual. Neotropical Biology and Conservation, 13: 224-234, 2018.

BURKHARD, B.; PETROSILLO, I.; COSTANZA, R. Ecosystem services – bridging ecology,economy and social sciences. Ecological Complexity, 7: 257-259, 2010.

CHAZDON, R. Regeneração de florestas tropicais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi - Ciências Naturais, 7: 195-218, 2012.

CHECOLI, C. H. B. Plano de recuperação de áreas degradadas de trechos da cabeceira do rio São Lourenço, Campo Verde - MT, mediante diagnóstico rural participativo. 2012. 82 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos: Área de Concentração em Manejo e Conservação) - Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2012.

CLARKE K. R.; WARWICK, R, M. Change in Marine Communities: An Approach to Statistical Analysis and Interpretation. 2ª. ed. Plymouth: United Kingdon, 2001. 176 p.

DENARDIN, N. et al. Estoque de carbono no solo sob diferentes formações florestais, Chapecó – SC. Ciência Florestal, 24: 59-69, 2014.

DURIGAN, G. et al. Indução do processo de regeneração da vegetação de cerrado em área de pastagem. Acta Botanica Brasilica, 12: 421-429, 1998.

FERREIRA, J. et al. Carbon-focused conservation may fail to protect the most biodiverse tropical forests. Nature Climate Change, 8: 744-749, 2018.

FRAGOSO, R. O. et al. Barreiras ao estabelecimento da regeneração natural em áreas de pastagens abandonadas. Ciência Florestal, 27: 1451-1464, 2017.

IUSS Working Group WRB. World Reference Base for Soil Resources 2014. International soil classification system for naming soils and creating legends for soil maps. Rome: FAO, 2015. 192 p.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 3ª ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2009. 384 p.

MANTOANI, M. C. et al. Efeitos da invasão por Panicum maximum Jacq. e do seu controle manual sobre a regeneração de plantas lenhosas no sub-bosque de um reflorestamento. Semina, 33: 97-110, 2012.

MIGUEL, E. P. et al. Floristic, structural, and allometric equations to estimate arboreal volume and biomass in a cerradão site. Semina, 38: 1691-1702, 2017.

NOMOTO, C. et al. Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do Solo na Bacia do Alto Paraguai – Porção Brasileira – Período de Análise: 2012 a 2014. Brasília: Instituto SOS Pantanal; 2015. 66 p.

PERT, P. L. et al. A catchment-based approach to mapping hydrological ecosystem services using riparian habitat: a case study from the Wet Tropics, Australia. Ecological Complexity, 7: 378-388, 2010.

RAMOS, F. T. et al. Soil organic matter doubles the cation exchange capacity of tropical soil under no-till farming in Brazil. Journal of The Science of Food and Agriculture, 98: 3595-3602, 2018.

RIBEIRO, T. O. et al. Floor quantification of fuel on the forest in the semiarid region of Paraiba, Brazil. Revista Verde, 7: 50-59, 2012.

SANTOS, H, G. et al. Sistema Brasileira de Classificação do solo. 5. ed. Brasília, DF: Embrapa Solos, 2018. 590 p.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 7. ed. Viçosa, MG: Editora SBCS, 2015. 102 p.

SIMMONS, B. L. et al. Long-term outcomes of forest restoration in an urban park. Restoration Ecology, 24: 109–118, 2016.

TEIXEIRA, P. C. et al. Manual de Métodos de Análise de Solo. 3. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2017. 573 p.

VIDRA, R. L.; SHEAR, T. H.; STUCKY, J. M. Effects of vegetation removal on native understory recovery in an exotic-rich urban forest. Journal of the Torrey Botanical Society, 134: 410-419, 2007.

WANTZEN, K. M. et al. Soil carbon stocks in stream-valley-ecosystems in the Brazilian Cerrado Agroscape. Agriculture, Ecosystems and Environment, 151: 70-79, 2012.

XIA, H. et al. Lateral heterogeneity of soil physicochemical properties in riparian after agricultural abandonment. Scientific Reports, 8: 1-9, 2018.

Publicado
2020-02-14
Seção
Ciências Florestais