O TOMATE USADO NA INDÚSTRIA POSSUI QUALIDADE TECNOLÓGICA PARA CONSUMO IN NATURA

Palavras-chave: Solanum lycopersicum. Hábito de crescimento determinado. Aceitação. Consumidor.

Resumo

O tomateiro (Solanum lycopersicum L.) destinado ao consumo in natura, possui como desafio a ser superado o custo de produção elevado. Uma alternativa, é utilizar cultivares com hábito de crescimento determinado. O objetivo da pesquisa foi detectar a aceitabilidade ao tomate com hábito de crescimento determinado para o consumo in natura. Sementes de 10 híbridos e uma variedade foram conduzidas em campo aberto, dispostas em seis blocos casualizados e usadas para os testes sensoriais. As análises foram realizadas por 50 consumidores não treinados, os quais avaliaram a preferência visual, sensorial por métodos afetivos e intenção de compra. Os híbridos Thaise cultivado rasteiro e tutorado, e Gabrielle tutorado, apresentaram 24; 18 e 22% de frequência respectivamente, lideraram a primeira posição da preferência visual, em segundo e terceiro o híbrido dominador com 18%, estes tiveram intenção de compra, acima de 80%. Todos os híbridos e variedades tiveram diferença significativa no teste de média com p ≤0,05. As maiores médias foram: aparência com Carrara, HM7885, Santa Cruz Kada, Asti, N901, Dominador e Equatorial. Cor com Asti e N901, aroma com Asti, Dominador e Equatorial, e sabor, Santa Cruz Kada, Asti, Dominador e Equatorial. A intenção de compra acima de 50% foi para Asti, Gabrielle* (cultivado rasteiro), HM7885 e Equatorial, apenas os híbridos Ap533, Portinari e Thaise cultivado rasteiro obtiveram índice de aceitabilidade inferior a 70%. Assim, é possível inferir que plantas com hábito de crescimento determinado produzem frutos com qualidade visual e sensorial para o consumo in natura.

 

Referências

ALVARENGA, M. A. R. et al. Tomate: produção em campo, casa de vegetação e hidroponia. 2. ed. Lavras: Universitária de Lavras, 2013. 413 p.

AMERICAN OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS - AOAC. Official methods of analysis of AOAC. 19. ed. Gaitlerburg: AOAC International. 2012. 3000 p.

BORGUINI, R. G.; TORRES, E. A. F. D. Tomatoes and tomato products as dietary sources of antioxidants. Food Research International, 25: 313 325, 2009.

BRASIL. Ministério da agricultura pecuária e abastecimento. SISLEGIS - Portaria n. 85 de 2002, Regulamento técnico de identificação e qualidade para a classificação de tomate. Disponível em: <http://sistemasweb.agricultura.gov.br>. Acesso em: 20 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. SLEGIS - Resolução n. 466 de 2012, Pesquisa em seres humanos. Disponível em: <https://saudelegis.saude.gov.br>. Acesso em 20 jul. 2018.

BRASIL. Ministério da agricultura pecuária e abastecimento. SISLEGIS - Portaria n. 553 de 1995, Regulamento técnico MERCOSUL de identidade e Qualidade do tomate. Disponível em: <http://sistemasweb.agricultura.gov.br>. Acesso em: 20 jul. 2018.

CALBO, A. G. Fisiologia pós-colheita em hortaliças, teórica e prática. In: FERREIRA, M. D. (Org.). Tecnologia pós-colheita em frutas e hortaliças. São Carlos, SP: Embrapa Instrumentação, 2011. v. 1, cap. 3, p. 69-92.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras, MG: UFLA, 2005. 783 p.

DELEO, J. P. B. et al. Anuário Hortifruti Brasil Retrospectiva 2019 & Perspectiva 2020. Hortifruti Brasil, 1: 28-30, 2020.

DUTCOSKY, S. D. Análise Sensorial de Alimentos. 4. ed. Curitiba, PR: PUCPRESS, 2013. 531 p.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS - FAOSTAT. CROPS - Crop statistics. Disponível em: <http://www.fao.org/faostat/en/#data/QC>. Acesso em: 19 abr. 2020.

FERREIRA, S. M. R. et al. Qualidade do tomate de mesa cultivado nos sistemas convencional e orgânico, Ciência e Tecnologia de Alimentos, 30: 224-230, 2010.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ - IAL. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. Disponível em: <http://www.ial.sp.gov.br/ial/publicacoes/livros/>. Acesso em: 20 jul. 2018.

INSTITUTO PARA O FORTALECIMENTO DA AGROPECUÁRIA DE GOIÁS - IFAG. Custos de produção. Disponível em: <http://ifag.org.br/custos-de-producao>. Acesso em: 19 abri.de 2020.

KADER, A. A. et al. Composition and flavor quality of fresh quality of fresh market tomatoes as influenced by some postharvest handling procedures. Journal American Society Horticultural Science, 103: 6-13. 1978.

KADER, A. A. et al. Effect of fruit ripeness when picked on Flavor and Composition in Fresh Market Tomatoes.Journal American Society Horticultural Science, 102: 724-731, 1977.

KEMP, S. R.; HOLLOWOOD, T.; HORT, J. Sensory Evaluation: A Practical Handbook. 1. ed. West Sussex, Chichester: WILEY-BLACKWELL, 2009. 328 p.

LAWLESS, H. T.; HEYMANN, H. Sensory evaluation of food: principles and practices. 2. ed. New York: SPRINGER, 2010. 596 p.

MEILGAARD, M.; CIVILLE, G. V.; CARR, B. T. Sensory Evaluation Techniques. 5. ed. Boca Raton, FL: CRC Press, 2016. 600 p.

MORAES, M. A. C. Métodos para a avaliação sensorial dos alimentos. 7. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 1988. 93 p.

MORETTI, C. L. et al. Chemical composition and physical properties of pericarp, locule, and placental tissues of tomatoes with internal bruising. Journal of the American Society for Horticultural Science, 123: 656-660, 1998.

NASSU, R. T. Análise Sensorial de Carne: Conceitos e Recomendações. 1. ed. São Carlos, SP: EMBRAPA, 2007. 7 p. (Comunicado Técnico, 79).

PERVEEN, R. et al. Tomato (Solanum lycopersicum) Carotenoids and Lycopenes Chemistry; Metabolism, Absorption, Nutrition, and Allied Health Claims A Comprehensive Review. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 55: 919-929, 2015.

OMS-OLIUB, G. Metabolic characterization of tomato fruit during preharvest development, ripening, and posthaverst shelf-life. Postharvest Biology and Technology, 62: 7-16, 2011.

SIDDIQUI, M. W.; AYALA-ZAVALA, J. F.; DHUA, R. S. Genotypic variation in tomatoes affecting processing and antioxidant attributes. Critical Reviews in Food Science and Nutrition, 55: 1819-1835, 2015.

SOUZA, M. E. et al.Caracterização físico-química e avaliação sensorial dos frutos de bananeira. Nativa,1: 13-17, 2013.

Publicado
2020-07-31
Seção
Engenharia de Alimentos