RELAÇÃO N:K PARA OS ESTÁDIOS FENOLÓGICOS DE MELÃO RENDILHADO CULTIVADO EM HIDROPONIA

Palavras-chave: Cucumis melo. Nutrição mineral. Cultivo protegido. Cultivo sem solo.

Resumo

A adequada relação no fornecimento de nitrogênio (N) e potássio (K) para cada estádio fenológico do meloeiro é fundamental para seu crescimento e desenvolvimento, com maximização da partição de massa seca entre as partes vegetativas e reprodutivas. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência de concentrações de N e K para duas fases fenológicas (vegetativa e reprodutiva) do meloeiro e obter a melhor relação N:K para cada uma delas. Na primeira fase, foram avaliadas quatro concentrações de N (8, 11, 14 e       17 mmol L-1) e duas concentrações de K (4 e 5 mmol L-1), em delineamento experimental de blocos ao acaso, em esquema fatorial 4x2, com cinco repetições. Na segunda fase, em esquema fatorial 2x2, foram avaliadas as combinações das duas concentrações de N que geraram as melhores características na fase anterior e duas concentrações de K (4,5 e 9,0 mmol L-1). O aumento da concentração de N na fase vegetativa promoveu o aumento dos teores foliares de N, P e S e a redução de K, Ca e Mg. Além disso, aumentou o número de folhas, a altura da planta (tutorada verticalmente) e a área foliar. Por isso, 17:5 mmol L-1 foi considerada como melhor relação N:K para a fase vegetativa. Na segunda fase, não houve efeito das concentrações de N e de K sobre a área foliar, produtividade e a qualidade dos frutos do meloeiro e, assim, considerou-se 14:4,5 mmol L-1 como a melhor relação N:K para a fase reprodutiva.

 

Referências

AGUIAR NETO, P. et al. Growth and nutrient accumulation in melon crop in Baraúna-RN and Petrolina-PE. Revista Brasileira de Fruticultura, 36: 556- 567, 2014.

ANDRIOLO, J. L. et al. Produtividade e qualidade de frutos de meloeiro cultivado em substrato com três doses de solução nutritiva. Ciência Rural, 35: 781-787, 2005.

BARBOSA, J. C.; MALDONADO JÚNIOR, W. AgroEstat: sistema para análises estatísticas 501 de ensaios agronômicos. 1 ed. Jaboticabal: Gráfica Multipress Ltda, 2015. 396 p.

BIANCHI, T. et al. Textural properties of different melon (Cucumis melo L.) fruit types: Sensory and physical-chemical evaluation. Scientia Horticulturae, 201: 46-56, 2016.

VAN BUEREN, E. T. L.; STRUIK, P. C. Diverse concepts of breeding for nitrogen use efficiency. A review. Agronomy for Sustainable Development, 37: 37-50, 2017.

CAMPELO, A. R. et al. Manejo da cultura do melão submetida a frequências de irrigação e fertirrigação com nitrogênio. Horticultura Brasileira, 32: 138-144, 2014.

CASTELLANE, P. D.; ARAÚJO, J. A. C. Cultivo sem solo: hidroponia. 3. ed. Jaboticabal, SP: FUNEP, 1994. 43 p.

CHAVES, S. W. P. et al. Conservação de melão Cantaloupe cultivado em diferentes doses de N e K. Horticultura Brasileira, 32: 468-474, 2014.

COSTA, C. C. et al. Concentração de potássio na solução nutritiva e a qualidade e número de frutos de melão por planta em hidroponia. Ciência Rural, 34: 731-736, 2004.

DAMASCENO, A. P. A. B. et al. Crescimento e marcha de absorção de nutrientes do melão cantaloupe tipo “Harper” fertirrigado com doses de N e K. Revista Caatinga, 25: 137-146, 2012.

DANTAS NETO, J. et al. Teores de macronutrientes em folhas de goiabeira fertirrigada com nitrogênio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 17: 962-968, 2013.

DALASTRA, G. M. et al. Produção e qualidade de três tipos de melão, variando o número de frutos por planta. Revista Ceres, 63: 523-531, 2016.

DEUS, J. A. L. et al. Fertilizer recommendation system for melon based on nutritional balance. Revista Brasileira Ciência do Solo, 39: 498-511, 2015.

EL-YAZIED, A. A. et al. Response of cantaloupe hybrids to nitrogen fertilization levels under natural infection with Monosporascus cannonballus. Australian Journal of Basic and Applied Sciences, 6: 1-11, 2012.

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION - FAO. Food and agriculture data. Available in: <http://www.fao.org/home/en/> Access in: December 31, 2017.

GRATIERI, L. A. et al. Nitrogen and potassium concentrations in the nutrients solution for melon plants growing in coconut fiber without drainage. The Scientific World Journal, 2013: 1-10, 2013.

HAWKESFORD, M. et al. Functions of Macronutrients. In: Marschner, P. (Ed.) Marschner's Mineral Nutrition of Higher Plants. 3. Ed. Cambridge: Academic Press, 2012, cap. 6, p. 135-189.

KANT, S. Understanding nitrate uptake, signaling and remobilisation for improving plant nitrogen use efficiency. Seminars in Cell & Developmental Biology, 74: 89-96, 2017.

LESTER, G. E.; JIFON, J. L.; MAKUS, D. J. Impact of Potassium Nutrition on Postharvest Fruit Quality: Melon (Cucumis Melo L) Case Study. Plant and Soil, 335: 117 – 331, 2010.

MELO, D. M. et al. Produção e qualidade de melão rendilhado sob diferentes substratos em cultivo protegido. Revista Caatinga, 25: 58-66, 2012.

MIYAZAWA, M. et al. Análises químicas de tecido vegetal. In: SILVA, F. C. (Eds.). Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2. ed. Brasília, DF: EMBRAPA, 2009. 190-223 p.

NASCIMENTO, I. B. et al. Estimativa da área foliar do meloeiro. Horticultura Brasileira, 20: 555-558, 2002.

NEOCLEOUS, D.; SAVVAS, D. NaCl accumulation and macronutrient uptake by a melon crop in a closed hydroponic system in relation to water uptake. Agricultural Water Management, 165: 22-32, 2016.

NERSON, H. et al. Paclobutrazol – a plant growth retardant for increasing yield and fruit quality in muskmelon. Journal of the American Society Horticultural Science, 114: 762-766, 1989.

PEDROSA, A. W. et al. Influence of the N/K ratio on the production and quality of cucumber in hydroponic system. Revista Ceres, 58: 619-624, 2011.

PRADO, R. M. Nutrição de plantas. 1. ed. São Paulo, SP: Editora UNESP, 2008. 407 p.

PURQUERIO, L. F. V.; CECÍLIO FILHO, A. B.; BARBOSA, J. C. Efeito da concentração de nitrogênio na solução nutritiva e do número de frutos por planta sobre a produção do meloeiro. Horticultura Brasileira, 21: 186-191, 2003.

PURQUERIO, L. F. V.; CECÍLIO FILHO, A. B. Concentração de nitrogênio na solução nutritiva e número de frutos sobre a qualidade de frutos de melão. Horticultura Brasileira, 23: 831-836, 2005.

RIZZO, A. A. N. Obtenção e avaliação de genótipos de melão rendilhado em ambiente protegido. 2004. 38 f. Tese (Doutorado em Produção Vegetal: Área de Concentração em Melhoramento Genético) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Jaboticabal, 2004.

TRANI, P. E.; RAIJ, B. V. Hortaliças. In: RAIJ, B. van et al. (Eds.). Recomendação de adubação e calagem para o estado de São Paulo. 2. ed. Campinas, SP: IAC, 1997.155-185 p. (Boletim Técnico, 100).

SILVA, E. O.; ALVES, R. E.; SANTOS, E. C. Colheita e pós-colheita na produção integrada de melão. In: BRAGA SOBRINHO R. et al. (Ed.). Produção Integrada de Melão. 1. ed. Fortaleza, CE: Embrapa Agroindústria Tropical, 2008. v. 1, cap. 24, p. 273-284.

SILVA, M. C. et al. Características produtivas e qualitativas de melão rendilhado adubado com nitrogênio e potássio. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18: 581-587, 2014.

SUN, M. et al. How to predict the sugariness and hardness of melons: A near-infrared hyperspectral imaging method. Food Chemistry, 218: 413-421, 2017.

VARGAS, P. F. et al. Physicochemical characteristics of experimental net melon hybrids developed in Brazil. Horticultura Brasileira, 31: 351-355, 2013.

WANG, J. et al. Effect of soil moisture-based furrow irrigation scheduling on melon (Cucumis melo L.) yield and quality in an arid region of Northwest China. Agricultural Water Management, 179: 167-176, 2017.

Publicado
2020-02-14
Seção
Agronomia