A INTENSIDADE DA FLORADA DO CAFÉ ARÁBICA DEPENDE DO NÍVEL DE DEFICIT HÍDRICO APLICADO NO PERÍODO PRÉ-FLORADA

Palavras-chave: Coffea arabica. Floração. Irrigação. Trocas gasosas.

Resumo

Floradas desuniformes traduzem-se em desigualdade na maturação dos frutos, comprometendo a eficiência de colheita e a qualidade do café. Objetivou-se neste trabalho determinar o nível de deficit hídrico para a quebra de dormência das gemas de Coffea arabica, e seus efeitos sobre as trocas gasosas, os teores de pigmentos fotossintéticos, a produtividade e a uniformidade de maturação dos frutos. Após 18 meses de cultivo em vasos de 200 L, em casa de vegetação, suspendeu-se a irrigação, em plantas que apresentavam no mínimo 60% dos botões florais no estádio E4. Após cinco grupos de seis plantas cada atingirem os potenciais hídricos foliares de antemanhã (Ψwpd) iguais a -0,04, -0,65, -1,43, -1,96 e -2,82 MPa, mediram-se as trocas gasosas do cafeeiro e coletaram-se discos foliares para quantificação de pigmentos, retornando-se, em seguida, a irrigação. A porcentagem de flores (ou intensidade da florada) aumentou com a redução do Ψwpd segundo o modelo Y=67,064+20,660*ln(-Ψwpd). As trocas gasosas do cafeeiro foram fortemente afetadas pelos níveis de deficit hídrico, sem, contudo, verificarem-se reduções nos teores de pigmentos fotossintéticos. A produtividade do cafeeiro não foi afetada, mas a porcentagem de grãos cereja foi ligeiramente maior sob deficits mais severos. O nível de deficit hídrico aplicado no período pré-florada determinou sua intensidade em café arábica.

 

Referências

ALVIM, P. T. Moisture stress as a requirement for flowering of coffee. Science, 132: 354-354, 1960.

APARECIDO, E. O.; ROLIM, G. S. Forecasting of the annual yield of Arabic coffee using water deficiency. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 53: 1299-1310, 2018.

BRASIL, COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira: café: safra 2019 – Primeiro levantamento – janeiro/2019. Brasília: Conab, v.5, n. 1, janeiro 2019. 62 p. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/cafe/boletim-da-safra-de-cafe . Acesso em 22 Jan. 2019.

CAMARGO, M. B. P. The impact of climatic variability and climate change on Arabic coffee crop in Brazil. Bragantia, 69: 239-247, 2010.

CAMAYO-VÉLEZ G. C.; ARCILA-PULGARÍN J. Estudio anatómico y morfológico de la diferenciación y desarrollo de las flores del cafeto Coffea arabica L. variedad Colombia. Cenicafé, 47: 121-139, 1996.

CRISOSTO, C. H.; GRANTZ, D. A.; MEINZER, F. C. Effect of water deficit on flower opening in coffee (Coffea arabica L.). Tree Physiology, 10: 127-139, 1992.

DaMATTA, F. M. et al. Ecophysiology of coffee growth and production. Brazilian Journal of Plant Physiology, 19: 485-510, 2007.

DaMATTA, F. M.; RAMALHO, J. D. C. Impacts of drought and temperature stress on coffee physiology and production: a review. Brazilian Journal of Plant Physiology, 18: 55-81, 2006.

FAGAN, E. B. et al. Efeito do tempo de formação do grão de café (Coffea sp.) na qualidade da bebida. Bioscience Journal, 27: 729-738, 2011.

FERNANDES, A. L. T. et al. A moderna cafeicultura dos cerrados brasileiros. Pesquisa Agropecuária Tropical, 42: 231-240, 2012.

FERNANDES, A. L. T. et al. Viabilidade técnica e econômica da irrigação localizada do cafeeiro, nas condições climáticas do planalto de Araxá, MG. Coffee Science, 11: 346-57, 2016.

GIOMO, G. S.; BORÉM, F. M. Cafés especiais no Brasil: opção pela qualidade. Informe Agropecuário, 32: 7-16, 2011.

GONZÁLEZ-ROBAINA, F; CISNEROS-ZAYAS, E.; MONTILLA, E. The coffee tree (Coffea arabica L.) response to water deficit in different development phases. Revista Ciencias Técnicas Agropecuarias, 26: 4-11, 2017.

GUERRA, A. F.; ROCHA, O. C.; RODRIGUES, G. C. Manejo do cafeeiro irrigado no Cerrado com estresse hídrico controlado. Irrigação & Tecnologia Moderna, 65: 42-45, 2005.

LEITE JÚNIOR, M. C. R.; FARIA, M. A. Utilização da irrigação no controle do potencial matricial de água no solo e sua influência na produtividade do cafeeiro. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 14: 533-544, 2016.

LIU, X. et al. Impacts of regulated deficit irrigation on yield, quality and water use efficiency of Arabica coffee under different shading levels in dry and hot regions of southwest China. Agricultural Water Management, 204: 292-300, 2018.

MAGALHÃES, A. C.; ANGELOCCI, L. R. Sudden alteration in water balance associate with flower bud opening in coffee plants. Journal of Horticultural Science, 51: 419-423, 1976.

MASARIRAMBI, M. R.; CHINGWARA, V.; SHONGWE, V. D. The effect of irrigation on synchronization of coffee (Coffea arabica L.) flowering and berry ripening at Chipinge, Zimbabwe. Physics and Chemistry of the Earth, 34: 786-789, 2009.

MATIELLO, J. B. et al. Cultura de café no Brasil: manual de recomendações. Ed. 2015. Varginha, MG: PROCAFE, 2016. 585 p.

MELKE, A.; FETENE, M. Eco-physiological basis of drought stress in coffee (Coffea arabica L.) in Ethiopia. Theoretical and Experimental Plant Physiology, 26: 225-239, 2014.

MERA, A. C. et al. Regimes hídricos e doses de fósforo em cafeeiro. Bragantia, 70: 302-311, 2011.

MESQUITA, C. M. et al. Manual do café: colheita e preparo (Coffea arabica L.). 1. ed. Belo Horizonte, MG: EMATER-MG, 2016. 50 p.

OLIVEIRA, L. F. C.; OLIVEIRA, R. Z.; CASTRO, T. A. P. Comportamento fisiológico de cafeeiros submetidos a diferentes disponibilidades de água no solo. Bioscience Journal, 25: 83-91, 2009.

ORTEGA, A. C.; JESUS, C. M. Território café do Cerrado: transformações na estrutura produtiva e seus impactos sobre o pessoal ocupado. Revista de Economia e Sociologia Rural, 49: 771-800, 2011.

PELOSO, A. F. et al. Limitações fotossintéticas em folhas de cafeeiro arábica promovidas pelo deficit hídrico. Coffee Science, 12: 389-399, 2017.

QUIÑONES, A. J. P. et al. Effects of day length and soil humidity on the flowering of coffee Coffea arabica L. in Colombia. Revista Facultad Nacional de Agronomía Medellín, 64: 5745-5754, 2011.

RENA, A. B.; BARROS, R. S. Aspectos críticos no estudo da floração do café. In: ZAMLOLIM, L.

(Ed.). Efeitos da irrigação sobre a qualidade e produtividade do café. Viçosa, MG: UFV/DFP, 2004. Cap. 3, p. 149-172.

RONCHI, C. P. et al. Growth and photosynthetic down-regulation in Coffea arabica in response to restricted root volume. Functional Plant Biology, 33: 1013-1023, 2006.

RONCHI, C. P. et al. Respostas ecofisiológicas de cafeeiros submetidos ao deficit hídrico para concentração da florada no Cerrado mineiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 50: 24-32, 2015.

SAKAI, E. et al. Coffee productivity and root systems in cultivation schemes with different population arrangements and with and without drip irrigation. Agricultural Water Management, 148: 16-23, 2015.

SCHUCH, U. K.; FUCHIGAMI, L. H.; NAGAO, M. A. Flowering, ethylene production, and ion leakage of coffee in response to water stress and gibberellic acid. Journal of American Society of Horticultural Science, 117: 158-163, 1992.

SILVA, C. A.; TEODORO, R. E. F.; MELO. B. Produtividade e rendimento do cafeeiro submetido a lâminas de irrigação. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 43: 387-394, 2008.

SILVA, E. A. et al. Seasonal changes in vegetative growth and photosynthesis in Arabica coffee trees. Field Crops Research, 89: 349-357, 2004.

SILVA, E. A. et al. Influência de déficits hídricos controlados na uniformização do florescimento e produção do cafeeiro em três diferentes condições edafoclimáticas do estado de São Paulo. Bragantia, 68: 493-501, 2009.

SISTEMA DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS E GENÉTICAS – SAEG. Versão 9.0. Viçosa, MG: Fundação Arthur Bernardes, 2004.

SOARES, A. R. et al. Irrigação e fisiologia da floração em cafeeiros adultos na região da zona da mata de Minas Gerais. Acta Scientiarum. Agronomy, 27: 117-125, 2005.

SOUZA, J. M. de et al. Interrupção da irrigação e maturação dos frutos de café Conilon. Científica, 42: 170-177, 2014.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: ARTMED LTDA, 2017. 858 p.

VINASCO, D. M. M.; BUILES, V. H. R.; GUERRERO, H. A. C. Comportamiento de accesiones de Coffea arabica sometidas a deficit de humedad del suelo. Cenicafé, 67: 41-54, 2016.

Publicado
2020-02-14
Seção
Engenharia Agrícola