CARACTERÍSTICAS ESTRUTURAIS E RENDIMENTO DA PALMA FORRAGEIRA ‘GIGANTE’ EM AGROECOSSISTEMAS DO SEMIÁRIDO BAIANO

Palavras-chave: Opuntia fícus-indica. Cactaceae. Produtividade. Sistemas de produção.

Resumo

A capacidade de adaptação da palma forrageira às condições edafoclimáticas no cultivo, associada às suas respostas às alterações no sistema de manejo, contribuem para o maior aproveitamento do seu potencial produtivo e uso na agropecuária do semiárido. Objetivou-se com o presente trabalho avaliar as características estruturais da planta e os rendimentos da palma forrageira (Opuntia ficus-indica Mill) em diferentes agroecossistemas do semiárido baiano. Para isso, foram analisadas as características estruturais das plantas e dos atributos dos solos. Considerou-se o conhecimento tradicional no manejo da cultura e suas interrelações com os níveis de rendimento, de modo a identificar os melhores índices de produtividade frente às peculiaridades de cada agroecossistema. A altura das plantas, a espessura e número dos cladódios da palma forrageira ‘Gigante’ foram menos afetadas pelos agroecossistemas, em detrimento ao maior efeito dos sistemas de produção. A largura, comprimento e área dos cladódios foram influenciados, em maior proporção, pelos agroecossistemas. Os rendimentos dos palmais, expressos pela produtividade anual e produtividade de massa verde, se correlacionaram positivamente com as características estruturais da planta, como a sua altura e espessura, largura e comprimento dos cladódios. A produtividade por planta e a produtividade de massa verde são os rendimentos mais influenciados pelo sistema de manejo adotado pelos produtores tradicionais.

A capacidade de adaptação da palma forrageira às condições edafoclimáticas, associada às suas respostas às alterações no sistema de manejo, contribuem para o maior aproveitamento do seu potencial produtivo e uso na agropecuária do semiárido. Objetivou-se neste trabalho avaliar as características estruturais da planta e os rendimentos da palma forrageira (Opuntia ficus-indica Mill) em diferentes agroecossistemas do semiárido baiano. Para isso, foram analisadas as características estruturais das plantas e os atributos dos solos. Considerou-se o conhecimento tradicional no manejo da cultura e suas inter-relações com os níveis de rendimento, de modo a identificar os melhores índices de produtividade frente às peculiaridades de cada agroecossistema. A altura das plantas, a espessura e número de cladódios da palma forrageira ‘Gigante’ foram menos afetados pelos agroecossistemas, em detrimento à maior influência dos sistemas de produção. A largura, comprimento e área dos cladódios foram influenciados, em maior proporção, pelos agroecossistemas. Os rendimentos dos palmais, expressos pelas produtividades anual e de massa verde, correlacionou-se positivamente com as características estruturais da planta, como a sua altura e espessura, largura e comprimento dos cladódios. A produtividade de massa de cladódio por planta e a produtividade de massa verde por área foram os rendimentos mais influenciados pelo sistema de manejo adotado pelos produtores tradicionais.

Referências

BARROS, J. L. et al. Palma forrageira ‘Gigante’ cultivada com adubação orgânica. Revista Agrotecnologia, 7: 53-65, 2016.

BLANCO-MACÍAS, F. et al. Nutritional reference values for Opuntia ficus-indica determined by means of the boundary-line approach. Journal of Plant Nutrition Soil Science, 173: 927-934, 2010.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Relatório final. Grupo de trabalho para delimitação do semiárido. Brasília: MI, 2017. 345p. Disponível em: <http://www.sudene.gov.br/conselhodeliberativo/regimento-e-documentos/resolucoes/103-a-109>. Acesso em: 10 Jul. 2018.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAM BRASIL. Folha SD-23 Brasília: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1982. 660 p. (Levantamento de Recursos Naturais, 29).

DIAS, L. A. S; BARROS, W. S. Biometria experimental. 1. ed. Viçosa, MG: Suprema, 2009. 408 p.

DONATO, P. E. R. et al. Morfometria e rendimento da palma forrageira ‘Gigante’ sob diferentes espaçamentos e doses de adubação orgânica. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 9: 151-158, 2014a.

DONATO, P. E. R. et al. Valor nutritivo da palma forrageira ‘Gigante’ cultivada sob diferentes espaçamentos e doses de esterco bovino. Revista Caatinga, 27: 163 -172, 2014b.

DONATO, S. L. R. et al. Considerações sobre clima semiárido e ecofisiologia da palma forrageira. Informe Agropecuário, 38: 7-20, 2017.

DUBEUX JUNIOR, J. C. B. et al. Productivity of Opuntia ficus-indica (L.) Miller under different N and P fertilization and plant population in north-east Brazil. Journal of Arid Environments, 67: 357-372, 2006.

FARIAS, I.; SANTOS, D. C.; DUBEUX JUNIOR, J. C. B. Estabelecimento e manejo da palma forrageira. In: MENEZES, R. S. C.; SIMÕES, D. A.; SAMPAIO, E. V. S. B. (Eds.). A palma no Nordeste do Brasil: conhecimento atual e novas perspectivas de uso. Recife, PE: Editora Universitária da UFPE, 2005. p. 81-104.

FONSECA, V. A. et al. ‘Gigante’ cactus pear cultivated at different population densities in a mechanizable arrangement. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 24:769-775, 2020.

FONSECA, V. A. et al. Morpho-physiology, yield, and water-use efficiency of Opuntia ficus-indica irrigated with saline water. Acta Scientiarum-Agronomy, 41: 426-431, 2019.

GUIMARÃES, B. V. C. et al. Methods for estimating optimum plot size for ‘Gigante’ cactus pear. Journal of Agricultural Science, 11: 205-215, 2019.

LÉDO, A. A. et al. Yield and water use efficiency of cactus pear under arrangements, spacings and fertilizations. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 23: 413-418, 2019.

LIMA, G. F. C et al. effect of different cutting intensities on morphological characteristics and productivity of irrigated Nopalea forage cactus. Acta Horticulturae, 1067: 253-258. 2015.

LUCENA, D. B. et al. Aptidão e Zoneamento Agroclimático da Palma Forrageira para o Estado do Piauí. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, 10: 809-819, 2016.

MATOS, L. M. et al. O conhecimento local e a etnopedologia no estudo dos agroecossistemas da Comunidade Quilombola de Brejo dos Crioulos. Sociedade e Natureza, 26: 497-510, 2014.

MATOS, L. V. (Photographer). 2017. Structural characteristics and yield of 'Gigante' cactus pear in agroecosytems in the semi-arid region of Bahia, Brazil. (a) Guanambi, BA, 06/06/2017; (b) Iuiu, BA, 06/27/2017; (c) Caetité, BA, 07/11/2017; (d) Riacho de Santana, BA, 06/25/2017; (e) Guanambi, BA, 06/10/2017. 2017. Photos.

MONDRAGÓN-JACOBO, C.; PÉREZ-GONZÁLEZ, S. Germplasm resources and breeding Opuntia for fodder production. In: MONDRAGÓN-JACOBO, C.; PÉREZ-GONZÁLEZ, S. (Eds). Cactus (Opuntia spp.) as forage. Rome: FAO, 2001. FAO Plant Production and Protection Paper, 169. cap. 4, p. 21-28.

NOBEL, P. S. Biologia ambiental. In: BARBERA, G.; INGLESE, P.; PIMIENTA-BARRIOS, E. P. (Eds.). Agroecologia, cultivo e uso da palma forrageira. João Pessoa, PB: SEBRAE/FAO, 2001. cap. 5, p. 36-48.

OLIVEIRA JÚNIOR, S. et al. Crescimento vegetativo da palma forrageira (Opuntia ficus-indica) em função do espaçamento no Semiárido Paraibano. Tecnologia e Ciência Agropecuária, 3: 7-12. 2009.

PADILHA JÚNIOR, M. C. et al. Características morfométricas e rendimento da palma forrageira ‘Gigante’ sob diferentes adubações e configurações de plantio. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 11: 67-72, 2016.

PIMENTEL-GOMES, F.; GARCIA, C. H. Estatística aplicada a experimentos agronômicos e florestais: exposição com exemplos e orientações para uso de aplicativos. 14 ed. Piracicaba, SP: FEALQ, 2002. v. 11, 309 p.

PINTO, M. S. C. et al. Estimativa do peso da palma forrageira (Opuntia ficus-indica, Mill.) a partir de medidas dos cladódios. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 39., 2002, Recife. Anais… Recife: SBZ, 2002. p. 54-64.

RESENDE, M. et al. Pedologia: bases para distinção de Ambientes. 5. ed. rev. Lavras, MG: Editora UFLA, 2007. 322 p.

RESENDE, M.; CURI, N.; LANI, J. L. Reflexões sobre o uso dos solos brasileiros. In: ALVAREZ, V. H. et al. (Eds.). Tópicos em Ciência do Solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2002. v. 2, cap. 14, p. 593-644.

RESENDE, M.; CURI, N.; REZENDE, S. B. Uso das informações pedológicas agrícola e não agrícola. In: CURI, N. et al. (Eds.). Pedologia – solos dos biomas brasileiros. 1. ed. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2017. v. único, cap. 2, p. 47-110.

RIBEIRO JÚNIOR, J. I.; MELO, A. L. P. Guia prático para utilização do SAEG. 1. ed. Viçosa, MG: Folha, 2008. 287 p.

SANTOS, D. C. et al. Estratégias para uso de cactáceas em zonas semiáridas: novas cultivares e uso sustentável das espécies nativas. Revista Científica de Produção Animal, 15: 111-121, 2013.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA - SEI. Tipologia climática. Salvador, 2014. Disponível em: <http://www.sei.ba.gov.br/site/geoambientais/mapas/pdf/tipologia_climatica_segundo_koppen_2014.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2019.

SILVA, J. A. et al. Composição mineral em cladódios de palma forrageira sob diferentes espaçamentos e adubações química. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 7: 866-875, 2012.

SILVA, J. A. et al. Yield and vegetative growth of cactus pear at different spacings and under chemical fertilizations. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 20: 564-569, 2016.

SILVA, R. F.; SAMPAIO, E. V. S. B. Palmas forrageiras Opuntia fícus-indica e Nopalea cochenillifera: sistemas de produção e usos. Revista Geama, 2: 131-141. 2015.

Publicado
2020-10-22
Seção
Zootecnia