NÍVEIS DE DESFOLHA NAS FASES VEGETATIVA E REPRODUTIVA DE CULTIVARES DE SOJA COM DIFERENTES GRUPOS DE MATURAÇÃO RELATIVA

Palavras-chave: Glycine max L. Merril. Área Foliar. Relação fonte-dreno. Rendimento.

Resumo

A tolerância da soja à desfolha pode ser afetada pelo grupo de maturação relativa (GMR) da cultivar. Este trabalho foi conduzido objetivando avaliar os efeitos da desfolha artificial nas fases vegetativa e reprodutiva sobre o desempenho agronômico de cultivares de soja com diferentes grupos de maturação. Foram conduzidos dois experimentos em casa de vegetação, no município de Lages, SC. No primeiro a desfolha foi realizada em V6 e no segundo em R3. Avaliaram-se três cultivares com grupos de maturação relativa (GMR) contrastantes: BMX Veloz (GM 5.0, hábito de crescimento indeterminado), NA 5909 (GM 5.9, hábito de crescimento indeterminado) e TMG 7262 (GM 6.2, hábito de crescimento semideterminado). Cada cultivar foi submetida a cinco níveis de desolha: 0%, 16,6%, 33,3%, 50% e 66,6%. Avaliou-se a expansão foliar após a desfolha, o rendimento de grãos e seus componentes. A cultivar BMX Veloz apresentou menor capacidade de expansão foliar e menor rendimento de grãos do que as demais cultivares quando desfolhada em V6. O rendimento de grãos das três cultivares somente sofreu decréscimos significativos com desfolhas superiores a 16,6% em R3. Portanto, a cultivar BMX Veloz é menos tolerante à desfolha na fase vegetativa do que as cultivares NA 5909 e TMG 7262. O grupo de maturação da cultivar não interfere na tolerância da soja à desfolha na fase reprodutiva sob condições de casa de vegetação.

 

Referências

BOARD, J. E. et al. Yield response of soybean to partial and total defoliation during the seed-filling period. Crop Science, 50: 703-712, 2010.

BOARD, J. E.; KAHLON, C. S. Soybean yield formation: what controls it and how it can be improved. In: EL-SHAMY, H. A. (Ed.) Soybean physiology and biochemistry. Rijeka, Croatia: IntechOpen, 2011. p. 1-36.

BUENO, A. F.; BATISTELA, M. J.; MOSCARDI, F. Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade. Londrina, PR: Embrapa Soja, 2010. 12 p. (Circular Técnica, 79).

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - RS/SC (CQFS-RS/SC). Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Porto Alegre, RS: SBCS - Núcleo Regional Sul/UFRGS, 2016. 396 p.

DAMASCENO, L. J. et al. Defoliation levels supported in soybean crop with no harm on productivity in the municipality of Parauapebas. Journal of Agricultural Science, 11: 227-234, 2019.

EGLI, D. B. Soybean yield physiology: principles and process of yield production. In: SINGH, G. (Ed.). The soybean: botany, production and uses. Wallingford, UK: CABI, 2011. p. 113-141.

GAZZONI, D. L.; MOSCARDI, F. Effect of defoliation on recovery of leaf area, on yield and agronomic traits of soybeans. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 33: 411-424, 1998.

GLIER, C. A. S. et al. Defoliation percentage in two soybean cultivars at different growth stages. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19: 567-573, 2015.

GRIGOLLI, J. F. J. Pragas de soja e seu controle. In: LOURENÇÃO, A. L. F. (Ed.). Tecnologias e produção: soja 2014/2015. Curitiba, PR: Midiograf, 2015. p. 98-124.

HEIDEL, J. C.; BRUN, W. Light and shade effects on abscission and photoassimilate partitioning among reproductive structures in soybean. Plant Physiology, 73: 434-439, 1983.

KOESTER, R. P. et al. Historical gains in soybean (Glycine max Merril.) seed yield are driven by linear increases in light interception, energy conversion, and partitioning efficiencies. Journal of Experimental Botany, 65: 3311-3321, 2014.

LOPES, N. F.; LIMA, M. G. S. Fisiologia da Produção. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2015. 492 p.

MOSCARDI, F. et al. Soybean response to different injury levels at early developmental stages. Ciência Rural, 42: 389-394, 2012.

OWEN, L. N. et al. Impact of defoliation on yield of group IV soybeans in Mississippi. Crop Protection, 54: 206-212, 2013.

PANIZZI, A. R. Insetos da soja no Brasil. Londrina, PR: Embrapa Soja, 1977, 20 p. (Boletim Técnico, 1).

PARCIANELLO, G. et al. Tolerância da soja ao desfolhamento afetada pela redução do espaçamento de fileiras. Ciência Rural, 34: 357-364, 2004.

PROCÓPIO, S. O. et al. Plantio cruzado na cultura da soja utilizando uma cultivar de hábito de crescimento indeterminado. Revista de Ciências Agrárias, 56: 319-325, 2013.

RIBEIRO, A. L. P.; COSTA, E. C. Desfolhamento em estádios de desenvolvimento da soja, cultivar BR 16, no rendimento de grãos. Ciência Rural, 30: 767-771, 2000.

RICHTER, G. L. et al. Estimativa da área de folhas de cultivares antigas e modernas de soja por método não destrutivo. Bragantia, 73: 416-425, 2014.

RITCHIE, S. W.; HANWAY, J. J.; THOMPSON, H. E. (Ed.). How soybean plant develops, Ames, IA: Iowa State University of Science and Technology, Cooperative Extension Service, 1982. 20 p. (Special Report, 53).

SILVA, A. F. et al. Correlation and path analysis of soybean yield components. International Journal of Plant, Animal and Environmental Sciences, 5: 177-179, 2015.

SOUZA, V. Q. et al. Caracteres morfofisiológicos e produtividade de soja em razão da desfolha no estádio vegetativo. Científica, 42: 216-223, 2014.

ZANON, A. J. et al. Desenvolvimento de cultivares de soja em função do grupo de maturação e tipo de crescimento em terras altas e terras baixas. Bragantia, 74: 400-411. 2015.

ZUFFO, A. M. et al. Agronomic performance of soybean according to stages of development and levels of defoliation. African Journal of Agricultural Research, 10: 2089-2096, 2015.

Publicado
2020-05-22
Seção
Agronomia