ESTRESSE SALINO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES CRIOULAS DE MILHO E FEIJÃO-FAVA

Palavras-chave: Zea mays. Phaseolus lunatus. Salinidade. Variedades tradicionais.

Resumo

O estresse salino afeta negativamente o desenvolvimento de plantas, principalmente em regiões áridas e semiáridas, promovendo alterações em sua fisiologia e produtividade. Objetivou-se avaliar o potencial germinativo de sementes crioulas de milho (Zea mays L.) e feijão-fava (Phaseolus lunatus L.) em condições de estresse salino, com diferentes potenciais e sais. As sementes foram coletadas em áreas rurais, nos municípios de Guanambi, Candiba e Brumado, região do Brasil que corresponde a Serra Geral da Bahia. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado e os tratamentos constituíram-se por três sais CaCl2, MgCl2 e NaCl, além de quatro potenciais de salinidade 0; -0,3; -0,9 e -1,2 MPa. As análises físicas das sementes incluíram umidade e pureza física, enquanto que as análises fisiológicas foram: porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação, tempo médio de germinação e frequência relativa de germinação. O armazenamento das sementes crioulas de feijão-fava e milho feito em garrafas pet com volume totalmente preenchido somado à colheita com a umidade adequada, garante que as sementes apresentem grau de umidade e pureza física dentro dos valores considerados ideias. O estresse salino induzido pelos sais NaCl e CaCl2, com potenciais osmóticos entre -0,3 e -1,2 MPa é prejudicial à germinação de sementes crioulas de feijão-fava e milho, e em potenciais menores que -0,3 MPa a germinação é nula para ambos os sais. As sementes crioulas de milho e feijão-fava apresentam germinação de 70% na solução de MgCl2 no potencial osmótico de -0,3 MPa, nesta condição a germinação de ambas às espécies é viável.

Referências

ARAÚJO, M. L. et al. Efeito de diferentes potenciais osmóticos sobre a germinação e o desenvolvimento de plântulas de feijão enxofre. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, 22: 201-204, 2018.

BARAVIERA, C. M. C. et al. Avaliação de propriedades físicas de grãos de híbridos de milho. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, 10: 291-297, 2014.

BARREIRO NETO, M. et al. Características morfológicas e produtivas em acessos de feijão-fava consorciados. Tecnologia & Ciência Agropecuária, 9: 23-27, 2015.

BRACCINI, A. L. et al. Germinação e vigor de sementes de soja sob estresse hídrico induzido por soluções de cloreto de sódio, manitol e polietilenoglicol. Revista Brasileira de Sementes, 18: 10-16, 1996.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília, DF: Mapa/ ACS, 2009. 395 p.

CLEVELAND, W. S.; DEVLIN, S. J. Locally Weighted Regression: An Approach to Regression Analysis by Local Fitting. Journal of the American Statistical Association, 83: 596-610, 1988.

COELHO, D. L. M. et al. Estresse hídrico com diferentes osmóticos em sementes de feijão e expressão diferencial de proteínas durante a germinação. Acta Scientiarum. Agronomy, 32: 491-499, 2010.

CONUS, L. A. et al. Germinação de sementes e vigor de plântulas de milho submetidas ao estresse salino induzido por diferentes sais. Revista Brasileira de Sementes, 31: 67-74, 2009.

FERREIRA, A. G.; BORGUETTI, F. Germinação do básico ao aplicado. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004, 323 p.

FERREIRA, A. C. T. et al. Water and salt stresses on germination of cowpea (Vigna unguiculata cv. BRS Tumucumaque) seeds. Revista Caatinga, 30: 1009-1016, 2017.

FERREIRA, R. L.; SÁ, M. E. Contribuição de etapas do beneficiamento na qualidade fisiológica de sementes de dois híbridos de milho. Revista Brasileira de Sementes, 32: 99-110, 2010.

GUIMARÃES, S. F. et al. Influência de substratos na germinação de sementes de Camomila (Matricaria recutita). Horticultura Brasileira, 30: 5226-5233, 2012.

GOMES FILHO, A. et al. Estresse hídrico e salino na germinação de sementes de feijão-caupi cv. BRS Pajeú. Colloquium Agrariae, 15: 60-73, 2019.

HOLANDA, A. C. et al. Desenvolvimento inicial de espécies arbóreas em ambientes degradados por sais. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 7: 39-50, 2007.

LABOURIAU, L. G.; VALADARES, M. E. B. On the germination of seeds Calotropis procera (Ait.) Ait.f. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 48: 263-284, 1976.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. São Carlos, SP: RIMA, 2000, 531 p.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, 2: 176-177, 1962.

MARTINS, C. C.; PEREIRA, M. R. R.; LOPES, M. T. G. Germinação de sementes de eucalipto sob estresse hídrico e salino. Bioscience Journal, 30: 318-329, 2014.

MORAIS, M. A. S. et al. O NaCl inibe a germinação e a atividade da amilase em duas espécies de feijão. Revista Nordestina de Ciências Biológicas, 1: 50-56, 2018.

NASCIMENTO, M. G. R. et al. Lima bean (Phaseolus lunatus L.) seeds exposed to different salt concentrations and temperatures. Revista Caatinga, 30: 738-747, 2017.

NUNES, L. R. L, et al. Germinação e vigor de sementes de feijão-caupi em resposta aos estresses salino e térmico. Revista Caatinga, 32: 143-151, 2019.

OLIVEIRA, A. K. M. et al. Germinação de sementes de Aspidosperma tomentosum Mart. (Apocynaceae) em diferentes temperaturas. Brazilian Journal of Biological Sciences, 9: 392-397, 2011.

PESSOA NETO, J. A. et al. Qualidade fisiológica de sementes de milho sob condições de estresse salino. Cultura Agronômica, 25: 401-408, 2016.

QUEIROZ, R. L. et al. Avaliação de extrato de Melaleuca alternifolia (Cheel) na germinação de Brachiaria brizantha. Revista Fitos, 10: 375-547, 2016.

R CORE TEAM. R: The R project for statistical computing; 2016. Disponivel em: <https://www.r-project.org>. Acesso em: 11 jun. 2019.

REBOUÇAS, M. A. et al. Crescimento e conteúdo de N, P, K e Na em três cultivares de algodão sob condições de estresse salino. Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, 1: 79-85, 1989.

SANTOS, A. D; CURADO, F. F; TAVARES, E. D. Pesquisas com sementes crioulas e suas interações com as políticas públicas na região Nordeste do Brasil. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 36: 1-19, 2019.

SANTOS, M. S. et al. Sementes crioulas: Sustentabilidade no semiárido paraibano. Revista Agrarian Academy, Centro Científico Conhecer, 4: 1-16, 2017.

SARMENTO, H. G; DAVID, A, M. S. S; BARBOSA, M. G. Determinação do Teor de Água em Sementes de Milho, Feijão e Pinhão – Manso por Métodos Alternativos. Energia na Agricultura, 30: 249-256, 2015.

SILVA, L. D. A, et al. Mecanismos fisiológicos em híbridos de citros sob estresse salino em cultivo hidropônico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18: 1-7, 2014.

SILVA, R. C; CRZYBOWKI, C. R. S; PANOBIANCO, M. Vigor de sementes de milho: influência no desenvolvimento de plântulas em condições de estresse salino. Revista Ciência Agronômica, 47: 491- 499, 2016.

Publicado
2020-07-31
Seção
Nota Técnica