SUPERAÇÃO DE DORMÊNCIA E PRÉ-CONDICIONAMENTO EM SEMENTES DE Mimosa caesalpiniifolia Benth.

Palavras-chave: Fabaceae. Caatinga. Sementes florestais. Dormência. Priming.

Resumo

Sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniifolia Benth.) apresentam dormência tegumentar, dificultando a absorção de água e oxigênio, consequentemente retardando a germinação. Dessa forma, objetivou-se avaliar métodos para superação de dormência associados ao condicionamento fisiológico sobre germinação e vigor de sementes de sabiá, considerando a eficiência, praticidade e custo do tratamento. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial 4 x 5 (quatro métodos de superação de dormência x cinco tipos de condicionamento fisiológico), constituindo vinte tratamentos, com quatro repetições de vinte e cinco sementes. Os métodos de superação de dormência utilizados foram desponte, imersão das sementes em água quente a 100 °C por três minutos; imersão em ácido sulfúrico por 10 minutos e sementes intactas. Para determinação do tempo de condicionamento fisiológico das sementes, realizou-se a curva de embebição com os diferentes agentes condicionantes. O condicionamento fisiológico foi feito em papel filtro umedecido com soluções de manitol nos potenciais de -0,2 MPa (16 horas), -0,4 MPa (24 horas) e -0,6 MPa (36 horas) e apenas com água destilada para o hidrocondicionamento (12 horas) e sementes sem condicionamento. As variáveis analisadas foram primeira contagem de germinação, germinação, comprimento radicular, comprimento da parte aérea e massa seca de plântulas. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e teste de Tukey a 5% de probabilidade. A superação de dormência de sementes de M. caesalpiniifolia deve ser realizada com o uso de água quente (100 ºC) durante três minutos, sem necessidade do condicionamento fisiológico.

Referências

BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2. ed. New York: Plenum Press, 2013. 445 p.

BITTENCOURT, M. L. C. et al. Controle da hidratação para o condicionamento osmótico de sementes de aspargo. Revista Brasileira de Sementes, 26: 99-104, 2004.

BRASIL. Instruções para a análise de sementes de espécies florestais. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2013. 98 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 399 p.

CALDAS, G. G. et al. Caracterização morfológica e química de Mimosa caesalpiniifolia submetida à adubação com P. Archivos de Zootecnia, 59: 529-538, 2010.

COSTA, R. N. et al. Avaliação de diferentes métodos pré-germinativos para três espécies arbóreas da família Fabaceae em diferentes ambientes. Scientific Electronic Archives, 11: 35-43, 2018.

DELL ÁQUILA, A.; TARANTO, G. Cell division and DNA synthesis during osmopriming treatment and following germination on aged wheat embryos. Seed Science and Technology, 4: 333-341, 1986.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35: 1039-1042, 2011.

KUBALA, S. et al. Deciphering priming-induced improvement of rapeseed (Brassica napus L.) germination through an integrated transcriptomic and proteomic approach. Plant Science, 231: 94-113, 2015.

MAIA, G. N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. 2. Ed. Fortaleza, CE: Printcolor Gráfica e Editora, 2012. 413 p.

MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. 2. ed. Londrina, PR: ABRATES, 2015, 659 p.

MASETTO, T. E. et al. Condicionamento osmótico de sementes de Sesbania virgata (CAV.) PERS (Fabaceae). Cerne, 19: 629-636, 2013.

MASETTO, T. E. et al. Germinação de sementes de Dimorphandra mollis Benth.: efeito de salinidade e condicionamento osmótico. Revista Brasileira de Biociências, 12: 127-131, 2014.

MENDONÇA, A. V. et al. Efeito da hidratação e do condicionamento osmótico em sementes de pau-formiga. Revista Brasileira de Sementes, 27: 111-116, 2005.

MONTANHA, D. A. et al. Superação da dormência e influência da profundidade de semeadura na germinação de sementes de Desmodium tortuosum. Revista Agro@mbiente On-line, 12: 34-40, 2018.

NASCIMENTO, I. L. et al. Superação da dormência em sementes de faveira (Parkia platycephala Benth.). Revista Árvore, 33: 35-45, 2009.

NOGUEIRA, N. W. et al. Maturação fisiológica e dormência em sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniifolia Benth.). Bioscience Journal, 29: 876-883, 2013.

PACHECO, M. V.; MATOS, V. P. Método para superação de dormência tegumentar em sementes de Apeiba tibourbou Aubl. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 4: 62-66, 2009.

PELLIZZARO, K. et al. Superação da dormência e influência do condicionamento osmótico em sementes de Pterogyne nitens Tul. (Fabaceae). Revista Caatinga, 24: 1-9, 2011.

PEREIRA, M. D.; MARTINS FILHO, S. Adequação da metodologia do teste de condutividade elétrica para sementes de cubiu (Solanum sessiliflorum DUNAL). Revista Agrarian, 5: 93-98, 2012.

SANTANA, D. G. et al. Intensidade de dormência de sementes de Parkia pendula (Willd.) Benth. ex. Walp. (Fabaceae). Interciencia, 40: 710-715, 2015.

SILVA, M. L. et al. Emergência e desenvolvimento inicial de plântulas de Mimosa caesalpiniifolia Benth. Revista Verde de Agroeocologia e Desenvolvimento Sustentável, 7: 199-204, 2012.

SMITH, P. T.; COBB, B. G. Physiological and enzymatic characteristic of primed, re-dried air, and germinated pepper seeds. Seed Science and Technology, 20: 503-513, 1992.

Publicado
2020-07-31
Seção
Ciências Florestais