APLICAÇÃO FOLIAR DE BIOESTIMULANTE À BASE DE EXTRATO DE ALGA MARINHA NA CULTURA DA SOJA

Palavras-chave: Glycine max. Ecklonia maxima. Regulador vegetal.

Resumo

Dentre os bioestimulantes disponíveis no mercado, encontram-se aqueles compostos por extratos de algas. Já existem resultados científicos suficientes para se concluir que a aplicação destes bioestimulantes em culturas agrícolas pode afetar positivamente o crescimento e produtividade das plantas. No entanto, os resultados são discrepantes entre espécies vegetais e condições ambientais. Assim, objetivou-se avaliar os efeitos de doses e épocas de aplicação via foliar de bioestimulante à base de extrato de alga marinha (Ecklonia maxima) na morfologia e produtividade da cultura da soja. O experimento foi conduzido em campo no município de Uberaba - MG, em Latossolo Vermelho distrófico. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro repetições, em esquema fatorial 3 x 5, sendo três épocas de aplicação (estádios fenológicos: V4, R1 e V4+R1) e cinco doses do bioestimulante (0, 250, 500, 750 e 1000 mL ha-1) aplicadas via foliar. De modo geral, a aplicação do bioestimulante influenciou o número de ramos, nós, flores e vagens nas plantas de soja e, consequentemente, a produção da cultura. A aplicação de 607 mL ha-1 do bioestimulante propiciou a maior produtividade de grãos (5379 kg ha-1), que foi 6,1% superior à produtividade obtida sem aplicação do bioestimulante (5070 kg ha-1). A aplicação no estádio R1 proporcionou plantas com quantidade maior de flores e vagens.

 

Referências

ALBRECHT, L. P. et al. Biorregulador na composição química e na produtividade de grãos de soja. Revista Ciência Agronômica, 43: 774-782, 2012.

ALBRECHT, L. P. et al. Manejo de biorregulador nos componentes de produção e desempenho das plantas de soja. Bioscience Journal, 27: 865-876, 2011.

ALONI, R. et al. Role of auxin in regulating Arabidopsis flower development. Planta, 223: 315-328, 2006.

BACKES, C. et al. Aplicação foliar de extrato de alga na cultura da batata. Revista de Agricultura Neotropical, 4: 53-57, 2017.

BARBOSA, J. C.; MALDONADO JÚNIOR, W. AgroEstat: sistema para análises estatísticas de ensaios agronômicos. Versão 1.0. Jaboticabal, SP: Unesp, 2010.

BASTOS, F. J. C. et al. Common bean yield under water suppression and application of osmoprotectants. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 20: 267-701, 2016.

BATISTA FILHO, C. G. et al. Efeito do Stimulate nas características agronômicas da soja. Acta Iguazu, 2: 76-86, 2013.

BATTACHARYYA, D. et al. Seaweed extracts as biostimulants in horticulture. Scientia Horticulturae, 196: 39-48, 2015.

BECK, H. E. et al. Present and future Köppen-Geiger climate classification maps at 1-km resolution. Scientific Data, 1: 1-12, 2018.

BERTOLIN, D. C. et al. Aumento da produtividade de soja com a aplicação de bioestimulantes. Bragantia, 69: 339-347, 2010.

BONETTI, L. P. Cultivares e seu melhoramento genético. In: VERNETTI, F. J. (Ed.). Soja: genética e melhoramento. Campinas, SP: Fundação Cargill, 1983. v. 2, cap. 3, p. 741-794.

BUCHANAN, B. B.; GRUISSEM, W.; JONES, R. L. Biochemistry and molecular biology of plants. 2. ed. West Sussex, UK: Wiley Blackwell, 2015. 1280 p.

CARVALHO, C. G. P. et al. Correlação e análise de trilha em linhagens de soja semeadas em diferentes épocas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 37: 311-320, 2002.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Tecnologias de Produção de Soja - Região Central do Brasil 2014. 1. ed. Londrina, PR: Embrapa Soja, 2013. 265 p.

FAGERIA, N. K.; BALIGAR, V. C.; CLARK, R. B. Physiology of crop production. New York: The Haworth. 2006. 345 p.

GALINDO, F. S. et al. Desempenho agronômico de milho em função da aplicação de bioestimulantes à base de extrato de algas. Tecnologia & Ciência Agropecuária, 9: 13-18, 2015.

HATFIELD, J. L. et al. Climate impacts on agriculture: implications for crop production. Agronomy Journal, 103: 351-370, 2011.

KASEKER, J. F. et al. Alteração do crescimento e dos teores de nutrientes com utilização de fertilizante organomineral em cenoura. Revista Ceres, 61: 964-969, 2014.

KAVALCOL, S. A. F. et al. Desenvolvimento da soja com aplicações de hormônios em diferentes densidades de cultivo. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, 4: 112-116, 2014.

KOCIRA, A.; KORNAS, R.; KOCIRA, S. Effect assessment of Kelpak SL on the bean yield (Phaseolus vulgaris L.). Journal of Central European Agriculture, 14: 545-554, 2013.

KOCIRA, A. et al. Enhancement of yield, nutritional and nutraceutical properties of two common bean cultivars following the application of seaweed extract (Ecklonia maxima). Saudi Journal of Biological Sciences, 25:563-571, 2018.

LIU, F.; JENSEN C. R.; ANDERSEN, M. N. Drought stress effect on carbohydrate concentration in soybeans leaves and pods during early reprodutctive development: its implication in altering pod set. Field Crops Research, 86: 1-13, 2004.

PUTEH, A. B. et al. Soybean [Glycine max (L.) Merrill] seed yield response to high temperature stress during reproductive growth stages. Australian Journal of Crop Science, 7: 1472-1479, 2013.

RATHORE, S. S. et al. Effect of seaweed extract on the growth, yield and nutrient uptake of soybean (Glycine max) under rainfed condition. South African Journal of Botany, 75: 351-355, 2009.

RENGASAMY, K. R. R. et al. Eckol – a new plant growth stimulant from the brown seaweed Ecklonia maxima. Journal of Applied Phycology, 27: 581-587, 2015.

SANTOS, H. G. et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 5. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 353 p.

SANTOS, T. L. Soja. In: CASTRO, P. R. C.; KLUGE, R. A.; SESTARI, I. (Eds.). Manual de fisiologia vegetal: fisiologia dos cultivos. Piracicaba, SP: Agronômica Ceres, 2008. v. 1, cap. 1, p. 157-175.

SIEBERS, M. et al. Heat waves imposed during early pod development in soybean (Glycine max) cause significant yield loss despite a rapid recovery from oxidative stress. Global Change Biology, 21: 3114-3125, 2015.

SILVA, A. F. et al. Densidades de plantas daninhas e épocas de controle sobre os componentes de produção da soja. Planta Daninha, 26: 65-71, 2008.

SILVA, C. P. et al. Aplicação foliar do extrato de alga Ascophyllum nodosum e do ácido glutâmico no desenvolvimento inicial de crisântemos (Dendranthema morifolium (Ramat.) Kitam.) em vasos. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, 16: 179-181, 2010.

STIRK, W. A. et al. Changes in cytokinin and auxin concentrations in seaweed concentrates when stored at an elevated temperature. Journal of Applied Phycology, 16: 31-39, 2004.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 888 p.

THOMAS, A. L. Soja: tipos de crescimento da planta. Porto Alegre, RS: UFRGS. 2018. 59 p.

YAKHIN, O. I. et al. Biostimulants in plant science: a global perspective. Frontiers in Plant Science, 7: 1-32, 2017.

Publicado
2021-03-03
Seção
Agronomia