FITOSSOCIOLOGIA E DISTRIBUIÇÃO DE PLANTAS DANINHAS EM ÁREAS DE VITICULTURA NO VALE DO RIO SÃO FRANCISCO

  • Bruno França da Trindade Lessa Laboratory of seeds and flora management, Agronomic Engineering Collegiate, Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, PE https://orcid.org/0000-0002-0472-1417
  • Matheus Alves da Paz Laboratory of seeds and flora management, Agronomic Engineering Collegiate, Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, PE https://orcid.org/0000-0003-2307-2026
  • Ariel Marques Reges Laboratory of seeds and flora management, Agronomic Engineering Collegiate, Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, PE https://orcid.org/0000-0002-8022-2521
  • Igor Souza de Oliveira Laboratory of seeds and flora management, Agronomic Engineering Collegiate, Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, PE https://orcid.org/0000-0002-1861-6837
  • Mirella Rodrigues Antunes Laboratory of seeds and flora management, Agronomic Engineering Collegiate, Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, PE https://orcid.org/0000-0001-5892-2516
Palavras-chave: Comunidade infestante. Commelina bengualensis. Fruticultura irrigada. Uva. Semiárido.

Resumo

O conhecimento sobre as diferentes espécies que compõem uma comunidade infestante torna-se fundamental no manejo fitossanitário dos sistemas de produção vegetal, não somente pela identificação da flora e diagnóstico da diversidade, mas também pelos aspectos morfológicos e ecofisiológicos, o que pode revelar o potencial de interferência ao agrossistema e nortear a condução das estratégias de controle. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi realizar o levantamento florístico e estudo fitossociológico, assim como conhecer o padrão de agrupamento das populações infestantes em áreas de videira no perímetro irrigado do polo Petrolina-PE/Juazeiro-BA, submédio do Vale do Rio São Francisco.  As avaliações ocorreram em cinco propriedades, sendo analisados os parâmetros de: frequência, densidade, abundância e índice de valor de importância absolutos e relativos, assim como o grau de distribuição das populações e a similaridade entre as propriedades. As famílias Poaceae, Malvaceae e Asteraceae apresentaram maior diversidade de espécies. E as espécies com maiores níveis de importância foram Commelina benghalensis, Euphorbia hirta e Cyperus aggregatus. De maneira majoritária, a distribuição das populações apresentou-se de forma agregada ou altamente agregada.

 

Referências

ALVARES, C. A. et al. Köppen's climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22: 711-728, 2013.

BHAKTA, I.; PHADIKAR, S.; MAJUNDER, K. State‐of‐the‐art technologies in precision agriculture: a systematic review. Journal of the Science of Food and Agriculture, 99: 4878-4888, 2019.

BLANCO, F. M. G. Classificação e mecanismos de sobrevivência das plantas daninhas. In: Monquero, P.A. (Ed.). Aspectos da biologia e manejo das plantas daninhas. São Carlos, SP: RiMa, 2014. cap. 2, p. 33-60.

BOIM, M. A.; HEILBERG, I. P.; SCHOR, N. Phyllanthus niruri as a promising alternative treatment for nephrolithiasis. International Brazilian Journal of Urology, 36: 657-664, 2010.

BOOTH, B. D.; MURPHY, S. D.; SWANTON, C. J. Weed ecology in natural and agricultural systems. Cambridge: CABI, 2003. 303 p.

BRAUN-BLANQUET, J. Fitossociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madri: H. Blume, 1979. 820 p.

BRIGHENTI, A. M.; OLIVEIRA, M. F. Interferência de espécies de plantas daninhas do gênero Amaranthus em culturas agrícolas. In: INOUE et al. (Ed.). Manejo de Amaranthus. São Carlos, SP: RiMa, 2015. cap. 3, p. 37-58.

BRILHAUS, D. et al. Reversible burst of transcriptional changes during induction of crassulacean acid metabolism (CAM) in Talinum triangulare. Plant Physiology, 170: 102-122, 2016.

BRITO, I. P. F. S. et al. Variation in the sensitivity of wandering jew plants to glufosinate ammonium. Revista Caatinga, 30: 595-601, 2017.

CABRERA, D. C. et al. Phytosociological Survey of Sugarcane Crop Weeds in Different Agroecological Areas in Tucumán Province, Argentina. Planta Daninha, 37: 1-10, 2019.

CARVALHO, L. B. Plantas daninhas. Lages, SC: Editado pelo autor, 2013. 82 p.

CARVALHO, S. J. P. Características biológicas de plantas daninhas do gênero Amaranthus. In: INOUE, M.H. et al. (Ed.). Manejo de Amaranthus. São Carlos, SP: RiMa, 2015. cap. 2, p. 21-36.

CARVALHO, S. L.; PITELLI, R. A. Levantamento e análise fitossociológica das principais espécies de plantas daninhas de pastagens da região de Selvíria (MS). Planta Daninha, 10: 25-32, 1992.

CODEVASF. 2018. Estudo realizado pela Codevasf confirma impacto de projetos irrigados para desenvolvimento regional. Disponível em: <https://www.codevasf.gov.br/noticias/2017-1/estudo-realizado-pela-codevasf-confirma-impacto-de-projetos-irrigados-para-desenvolvimento-regional>. Acesso em: 1 set. 2020.

DAS, M. B. B. et al. Seed germination and seedling growth of some crops and weed seeds under different environmental conditions. Journal of Research in Weed Science, 3: 363-381, 2020.

ELLIOTT, J. M. Some methods for the statistical analysis of sample benthic invertebrates. Ambleside: Freshwater Biological Association, 1979. ed 2. 157 p.

FLORA DO BRASIL 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/>. Acesso em: 23 jun. 2020.

GONÇALVES, C. B. et al. Selectivity of saflufenacil applied singly and in combination with glyphosate on coffee and citrus crops. Revista Caatinga, 26: 45-53, 2016.

GHOSH, P. et al. Phytomorphological, chemical and pharmacological discussions about Commelina benghalensis Linn. (Commelinaceae): A review. The Pharma Innovation Journal, 8: 12-18, 2019a.

GHOSH, P. et al. Botanical Description, Phytochemical Constituents and Pharmacological Properties of Euphorbia hirta Linn: A Review. International Journal of Health Sciences & Research, 9: 273-286, 2019b.

GREEN, R. H. Measurement of non: randomness in spatial distributions. Researches on Population Ecology, 8: 1-7, 1966.

GUNDY, G. J.; DILLE, J. A.; ASEBEDO, A. R. Efficacy of variable rate soil-applied herbicides based on soil electrical conductivity and organic matter differences. Advances in Animal Biosciences, 8: 277-282, 2017.

GUSMAN, G. S.; YAMAGUSHI, M. Q.; VESTENA, S. Potencial alelopático de extratos aquosos de Bidens pilosa L., Cyperus rotundus L. e Euphorbia heterophylla L. Iheringia, 66: 87-98, 2011.

KEMPENAAR, C. et al. Advances in variable rates technology application in potato in the Netherlands. Potato research, 60: 295-305, 2017.

LORENZI, H. Manual de identificação e controle de plantas daninhas: plantio direto e convencional. 7. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2014. 341 p.

LORENZI, H. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 4. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008. 640 p.

MONQUERO, P. A.; HIRATA, A. C. S.; PITELLI, R. A. Métodos de levantamento da colonização de plantas daninhas. In: MONQUERO, P. A. (Ed.). Aspectos da biologia e manejo das plantas daninhas. São Carlos, SP: RiMa, 2014. cap. 5, p. 103-128.

MOREIRA, H. J. C.; BRAGANÇA, H. B. N. Manual de identificação de plantas infestantes: hortifruti. São Paulo, SP: FMC Agricultural Products, 2011. 1017 p.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLEMBERG, H. A. Aims and methods of vegetation ecology. New York: John Wiley, 1974. 574 p.

PINTO, M. V. et al. Estudo botânico, fitoquímico e fisico-químico de Euphorbia hirta L. (Euphorbiaceae). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 16: 649-656, 2014.

PITELLI, R. A. O termo planta daninha. Planta Daninha, 33: 1-2, 2015.

RIBEIRO, A. R. O. et al. The genus Cyperus (Cyperaceae) in Rio Grande do Norte State, Brazil. Rodriguésia, 66: 571-597, 2015.

ROCHA, F. C. et al. Weed mapping using techniques of precision agriculture. Planta Daninha, 33: 157-164, 2015.

ROSARIO, A. C. A. R.; ALMEIDA, S. S. M. S. Análise fitoquímica da espécie Phyllanthus niruri L. (quebra-pedra). Estação Científica, 6: 35-41, 2016.

SÁ, N. C.; SILVA, E. M. S.; BANDEIRA, A. S. A cultura da uva e do vinho no Vale do São Francisco. Revista de Desenvolvimento Econômico, ed. Especial, ano XVII, p. 461-491, 2015.

SILVEIRA, H. R. O. et al. Alelopatia e homeopatia no manejo da tiririca (Cyperus rotundus). Planta Daninha, 28: 499-506, 2010.

SOMAVILLA, L.; GOMES, C. B.; QUECINE, V. M. Registro da ocorrência de Meloidogyne incognita no porta enxerto ‘IAC-766 Campinas’ no estado de Pernambuco e reação de porta-enxertos e de cultivares de copa de videira a Meloidogyne spp. Revista Brasileira de Fruticultura, 34: 750-756, 2012.

SORENSEN, T. A. Method of stablishing groups of equal amplitude in plant society based on similarity of species content. In: ODUM, E. P. (Ed.). Ecologia. 3. ed. México, DF: Interamericana, 1972. cap. 10. p. 341-405.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 858 p.

Publicado
2021-03-03
Seção
Agronomia