DISPERSÃO, BANCO DE SEMENTES, SOBREVIVÊNCIA E CRESCIMENTO INICIAL DE TRÊS ÁRVORES DA CAATINGA

Palavras-chave: Regeneração natural. Aroeira. Ipê roxo. Cumarú. Emergência de mudas.

Resumo

Myracrodruon urundeuva, Handroanthus impetiginosus e Amburana cearensis são árvores da caatinga que produzem madeira valiosa, mas pouco se conhece sobre sua ecologia. Avaliou-se a distribuição de suas sementes no solo antes e após a dispersão, a emergência, a sobrevivência e o crescimento das mudas na estação chuvosa após a dispersão. Não havia sementes viáveis remanescentes dessas espécies no banco de sementes antes da dispersão. Após a dispersão, foram observadas, em média, 188 sementes m2 em um raio de 30 m em torno das M. urundeuva, 9 sementes m-2 em um raio de 10 m das H. impetiginosus e 5 sementes m-2 em um raio de 20 m ao redor das A. cearensis. A distância de dispersão atingiu 30, 20 e 10 m para M. urundeuva, H. impetiginosus e A. cearensis, respectivamente, certamente devido a diferenças na altura das árvores, no peso das sementes, na densidade da floresta e intensidade do vento. A emergência das plântulas foi observada durante 4 (M. urundeuva) e 9 (H. impetiginosus e A. cearensis) semanas. A mortalidade predominou no início e no final da estação chuvosa para M. urundeuva e A. cearensis, respectivamente, enquanto praticamente todas as mudas de H. impetiginosus sobreviveram. Myracrodruon urundeuva apresentou a maior taxa de mortalidade, mas estabeleceu mais mudas do que as outras espécies. A sobrevivência das mudas mostrou-se máxima a aproximadamente 5 metros das árvores. O recrutamento de mudas e a regeneração natural dessas árvores estão assegurados nesta área de Caatinga.

 

Referências

BASKIN, C. C.; BASKIN, J. M. Seeds: ecology, biogeography, and evolution of dormancy and germination. 1. ed. New York, NY: Academic Press, 1998. 666 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. IBAMA - Reconhece a Reserva Particular do Patrimônio Natural da Fazenda Tamanduá, em Santa Terezinha – PB, [1998]. Disponível em: <https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=31/07/1998&jornal=1&pagina=139&totalArquivos=152>. Acesso em: 20 ago. 2020.

BRITO, L. B. M.; ARAÚJO, F. S. Banco de sementes de Cordia oncocalyx Allemão em uma área de Caatinga sobre planossolo. Revista Caatinga, 22: 206-212, 2009.

COSTA, R. C.; ARAÚJO, F. S. Densidade, germinação e flora do banco de sementes do solo no final da estação seca em uma área de Caatinga, Quixadá, CE. Acta Botânica Brasílica, 17: 259-264, 2003.

FERNANDES, M. F.; QUEIROZ, L. P. Vegetação e flora da Caatinga, Ciência e Cultura, 70: 51-56, 2018.

GOMES, V. G. N.; QUIRINO, Z. G. M. Síndromes de dispersão de espécies vegetais no Cariri Paraibano. Revista Brasileira de Geografia Física, 9: 1157-1167, 2016.

LIMA, V. V. F. et al. Germinação de espécies arbóreas de floresta estacional decidual do vale do rio Paranã em Goiás após três tipos de armazenamento por até 15 meses. Biota Neotropica, 8: 89-97, 2008.

LÚCIO, A. M. F. N.; SILVA, G. H.; LOPES, I. S. Influência da época de coleta e armazenamento na qualidade fisiológica da semente de cumarú. Engenharia Ambiental, 7: 48-56, 2010.

MARTINELLI, G.; MORAES, M. A. (Orgs.) Livro vermelho da flora do Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro, RJ: Andrea Jakobson: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2013. 1100 p.

MEIADO, M. V. Banco de sementes no solo da Caatinga, uma Floresta Tropical Seca no Nordeste do Brasil. Informativo ABRATES, 24: 39-43, 2014.

PAGLIARINI, M. K. et al. Influência do tamanho de sementes e substratos na germinação e biometria de plântulas de jatobá. Tecnologia & Ciência Agropecuária, 8: 33-38, 2014.

PARAÍBA. Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba. Meteorologia: monitoramento mensal das chuvas por município. Disponível em: http://www.aesa.pb.gov.br/aesa-website/. Acesso em: 25 fev. 2010.

SANTOS, C. A. et al. Germinação de sementes de duas espécies da caatinga sob déficit hídrico e salinidade. Pesquisa Florestal Brasileira, 36: 219-224, 2016.

SILVA, M. C. N. A.; RODAL, M. J. N. Padrões das síndromes de dispersão de plantas em áreas com diferentes graus de pluviosidade, PE, Brasil. Acta Botânica Brasílica, 23: 1040-1047, 2009.

SIQUEIRA FILHO, J. A. et al. Guia de campo de árvores da Caatinga. 1. ed. Petrolina, PE: Editora e Gráfica Franciscana Ltda, 2009. 64 p.

WANG, R. et al. Distance-dependent seed‒seedling transition in the tree Castanopsis sclerophylla is altered by fragment size. Communications Biology: 2: 277-287, 2019.

Publicado
2020-10-21
Seção
Ciências Florestais