EFICIÊNCIA DA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CAJÁ-DE-JABUTI SOB DOSES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E MÉTODOS DE ENXERTIA

Palavras-chave: Spondias testudinis. Propagação assexuada. Enraizamento. Estaquia. AIB.

Resumo

Os objetivos dos ensaios foram avaliar doses de ácido indolbutírico (AIB) combinadas com tipos de estacas, e testar métodos de enxertia para a propagação vegetativa de cajazeira-de-jabuti. O experimento com estacas aéreas foi realizado em casa de vegetação, com nebulização intermitente, sob arranjo do delineamento inteiramente casualizado no esquema fatorial (5x6), sendo cinco tipos de estacas: apicais, medianas, basais, basais estratificadas e tanchão, tratadas com seis doses de AIB: 0, 1.000, 2.000, 3.000, 4.000 e 5.000 mg kg-1, com 4 repetições de 10 estacas cada. Na estaquia radicular, o delineamento foi o blocos casualizados, composto por seis concentrações de AIB: 0, 1.000, 2.000, 3.000, 4.000 e 5.000 mg kg-1, com quatro repetições, sendo avaliado aos 120 dias, porcentagens de estacas vivas, brotadas, enraizadas, calejadas, números e massas secas de raízes e brotações. Foram testados cinco métodos de enxertia: janela aberta, janela fechada, fenda cheia, fenda dupla e inglês simples, avaliado a porcentagens de pegamento e brotação dos enxertos aos 30 e 60 dias, respectivamente, após a enxertia. As análises estatísticas foram realizadas pelo teste não paramétrico de Kruskal-Wallis. As doses de AIB 0, 2.000, 3.000 e 5.000 mg kg-1 aumentaram o número de brotos nas estacas do tipo tanchão. As estacas tanchão possuem maior capacidade de sobrevivência e porcentagem de brotações, independente da dose de AIB. A concentração de 2.200 mg kg-1 de AIB promove maior enraizamento de estacas radiculares. A enxertia à inglesa simples proporciona maior pegamento e brotações dos enxertos.

 

Referências

ACRE. Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre fase II: recursos naturais: biodiversidade e ambientes do Acre. 2010. Disponível em: <https://www.amazonia.cnptia.embrapa.br/publicacoes_estados/Acre/Fase%202/Livro_Tematico_ZEE_Recursos_Naturais_Volume_2.pdf>. Acesso em: 16 mar. 2019.

BASTOS, L. P. et al. Propagação vegetativa de umbu-cajazeira. Enciclopédia Biosfera, 10: 2508-2517, 2014.

CAMPAGNOLO, M. A., PIO, R. Enraizamento de estacas caulinares e radiculares de cultivares de amoreira-preta coletadas em diferentes épocas, armazenadas a frio e tratadas com AIB. Ciência Rural, 42: 232-237, 2012.

CUNHA, P. S. C. F. Enraizamento de estacas de Spondias submetidas a doses de ácido Indolbutírico (AIB) e substratos. 2013. 79 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia: Fitotecnia) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2013.

DENAXA, N. K. et al. The role of endogenous carbohydrates and seasonal variation in rooting ability of cuttings of an easy and a hard to root olive cultivars (Olea europaea L.). Scientia Horticulturae, 143: 19-28, 2012.

DUTRA, T. R. et al. Ácido indolbutírico e substratos na alporquia de umbuzeiro. Pesquisa Agropecuária Tropical, 42: 424-429, 2012.

FACHINELLO, J. C.; HOFFMANN, A.; NACHTIGAL, J. C. Propagação de Plantas Frutíferas. 2 ed. Brasília, DF: Embrapa. 2013. 191 p.

FRAIFE FILHO, A. G.; LEITE, J. B. V.; RAMOS, J. V. Cajá. Disponível em: <http://www.ceplac.gov.br/radar/caja.htm>. Acesso em: 10 out. 2016.

FRANZON, R. C. et al. Propagação de pitangueira através da enxertia de garfagem. Revista Brasileira de Fruticultura, 30: 488-491, 2008.

GÓES, G. B. et al. Métodos de enxertia na produção de mudas de tamarindeiro. Revista Ceres, 63: 853-859, 2016.

GOMES, W. A. et al. Garfagem e diâmetro de porta-enxerto na obtenção de mudas de umbuzeiro do acesso laranja. Revista Brasileira de Fruticultura, 32: 952-959, 2010.

HOLANDA, F. S. R. et al. Propagation through cutting technique of species occurring in the lower São Francisco river in Sergipe state with different concentrations of indolebutyric acid. Revista Árvore, 36: 75-82, 2012.

LIMA FILHO, J. M. P.; SANTOS, C. A. F. Avaliação fenotípica e fisiológica de espécies de Spondias tendo como porta-enxerto o umbuzeiro (Spondias tuberosa Cam.). Revista Caatinga, 22: 59-63, 2009.

MENDES, N. V. B. et al. Agrochemicals and stem cutting types for plantlet production of Spondias sp. Revista Caatinga, 32: 1104 –1110, 2019.

MITCHELL, J. D.; DALLY, D. C. A revision of Spondias L. (Anacardiaceae) in the Neotropics. PhytoKeys, 55: 1-92, 2015.

MOUBAYIDIN, L. et al. The rate of cell differentiation controls the Arabidopsis root meristem growth phase. Current Biology, 20: 1138-1143, 2010.

NOVELLI, D. S. et al. Propagation of yellow mombin by stem and root cuttings treated with indolebutyric acid. Comunicata Scientiae, 10: 448 - 453, 2019.

RIOS, E. S. et al. Concentrações de ácido indolbutírico, comprimento e época de coleta de estacas, na propagação de umbuzeiro. Revista Caatinga, 25: 52-57, 2012.

ROCHA, G. T. et al. Vegetative propagation of Spondias tuberosa e Spondias dulcis with the use of immersion in indole acetic acid. Revista Caatinga, 32: 858-866, 2019.

SOUZA, F. X. et al. Comportamento vegetativo e reprodutivo de clones de cajazeira cultivados na Chapada do Apodi, Ceará. Revista Ciências Agronômica, 43: 293-300, 2012.

SOUZA, F. X.; LIMA, R. N. Enraizamento de estacas de diferentes matrizes de cajazeira tratadas com ácido indolbutírico. Revista Ciência Agronômica, 36: 189-194, 2005.

VÉRAS, M. L. M. et al. Uso de reguladores vegetais na propagação via estaquia de umbu-cajazeira. Revista de Ciências Agrárias, 41: 740-748, 2018.

ZANG, W. et al. Effects of temperature, plant growth regulators and substrates and changes in carbohydrate content during bulblet formation by twinscale propagation in Hippeastrum vittatum ‘Red lion’. Scientia Horticulturae, 160: 230-237, 2013.

WARSCHEFSKY, E. et al. Rootstocks: Diversity, Domestication and Impacts on Shoot Phenotypes. Trends in Plant Science, 21: 418-437, 2016.

Publicado
2021-05-10
Seção
Agronomia