QUALIDADE DE ALHO LIVRE DE VÍRUS SOB CONDIÇÕES DE ELEVADA ALTITUDE NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Palavras-chave: Allium sativum L. Sólidos solúveis. Pungência. Índice industrial. Correlação fenotípica.

Resumo

O alho é uma hortaliça rica em amido e substâncias aromáticas de alto valor condimentar, podendo ser consumida tanto na forma in natura quanto industrializada. A exigência do mercado consumidor vem crescendo nos últimos anos, sendo o alho-semente livre de vírus uma das tecnologias capazes de proporcionar um produto final de melhor qualidade comercial. Com o objetivo de avaliar a qualidade de alho livre de vírus sob condições de elevada altitude no semiárido nordestino, três experimentos foram desenvolvidos em 2018 em Portalegre-RN. No primeiro experimento, utilizaram-se cultivares de alho livre de vírus (LV) de primeira geração (G1); no segundo, os cultivares LV de segunda geração (G2) e no terceiro, os cultivares que não passaram pela limpeza clonal (infectados). O delineamento experimental empregado, nos três experimentos, foi em blocos casualizados com quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos pelos cultivares Amarante, Branco Mossoró, Cateto Roxo, Gravatá e Hozan. O alho-semente LV proporcionou maior diâmetro do bulbo, sólidos solúveis, sólidos totais, pungência e rendimento industrial, demonstrando que a sanidade do material propagativo é relevante na qualidade do alho para o consumo industrial. Para sólidos totais sobressaíram-se os cultivares Amarante, Cateto Roxo e Hozan, sendo esse último se destacado em diâmetro de bulbo, sólidos solúveis, pungência e índice industrial. Houve correlações positivas entre diâmetro de bulbos, pungência e índice industrial, e sólidos solúveis, pungência e índice industrial.

 

Referências

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTRY - AOAC. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemistry.Washington: AOAC, 2002. 1115 p.

BASSO, M. F. et al. Fisiologia foliar e qualidade enológica da uva em videiras infectadas por vírus. Tropical Plant Pathology, 35: 351-359, 2010.

BESSA, A. T. M. et al. Caracterização físico-química de alho ‘BRS Hozan’ e ‘Roxo Pérola de Caçador’ em função do tempo de armazenamento. Revista Colombiana de Ciencias Hortícolas, 11: 368-377, 2017.

BIESDORF, E. M. et al. Desempenho agronômico de cultivares de alho vernalizado e não vernalizado na região Sudeste de Mato Grosso. Revista de Agricultura Neotropical, 2: 44-48, 2015.

CARVALHO, V. D. et al. Tempo de armazenamento na qualidade do alho cv. Amarante. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 26: 1679-1684, 1991.

CHAGAS, S. J. R.; RESENDE, G. M.; PEREIRA, L. V. Características qualitativas de cultivares de Alho no sul de Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia, 27: 1584-1588, 2003.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras, MG: UFLA, 2005. 785 p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, 35: 1039-1042, 2011.

HENRIQUES, G. P. S. A. et al. Resposta do alho nobre vernalizado à adubação nitrogenada nas condições de cultivo do semiárido tropical. Científica, 47: 62-69, 2019.

HOLANDA, J. S. et al. Indicações para Adubação de Culturas em Solos do Rio Grande do Norte. 1. ed. Parnamirim, RN: EMPARN, 2017. 63 p. (Documento 46).

LIMA, M. F. P. et al. Garlic quality as a function of seed clove health and size and spacing between plants. Revista Caatinga, 32: 966-975, 2019.

LOPES, W. A. R. et al. Caracterização físico-química de bulbos de alho submetido a períodos de vernalização e épocas de plantio. Horticultura Brasileira, 34: 231-238, 2016.

LUCENA, R. R. M. et al. Qualitative analysis of vernalizated semi-noble garlic cultivars in western Rio Grande do Norte State, Brazil. Revista Caatinga, 29: 764–773, 2016.

MOTA, J. H. et al. Características físico-químicas de cultivares de alho (AlliumsativumL.) do grupo semi-nobre, nas condições de Lavras, MG. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 43, 2003, Recife. Anais... Brasília: ABH, 2003. 1 CD- ROM.

OLIVEIRA F. L. et al. Características agronômicas de cultivares de alho em Diamantina. Horticultura Brasileira, 28: 355-359, 2010.

RESENDE, F. V.; DUSI, A. N.; MELO, W. F. Recomendações básicas para a produção de alho em pequenas propriedades. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 2004. 12 p. (Comunicado Técnico, 22).

RESENDE, J. T. V. et al. Caracterização morfológica, produtividade e rendimento comercial de cultivares de alho. Horticultura Brasileira, 31: 157-162, 2013.

RESENDE, F. V.; MARODIN, J. C.; SOUZA, R. J. Desempenho agronômico do alho infectado e livre de vírus em função do tamanho de bulbos bulbilhos utilizados para o plantio. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 2018. 26 p. (Boletim de pesquisa e desenvolvimento, 170).

SANTOS, H. G. et al. Embrapa: Sistema brasileiro de classificação de solos. 5. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2018. 356 p.

SCHWIMMER, S.; WESTON, W. J. Enzymatic development of pyruvic acid in onion as a measure of pungency. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 4: 303-304, 1961.

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DAS FINANÇAS DO RN - SEPLAN. Perfil do Rio Grande do Norte. Disponível em: <http://www.seplan.rn.gov.br/>. Acesso em: 20 jul. 2019.

SINGH, S. R. et al. Character association and path analysis in garlic (Allium sativum L) for yield and its attributes. SAARC Journal of Agriculture, 11: 45-52, 2013.

SILVA, O. M. P. Crescimento, acúmulo de macronutrientes e adubação fosfatada de alho nobre em região de altitude no Semiárido. 2019. 108f. Tese (Doutorado em Agronomia: Área de Concentração em Práticas Culturais) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2019.

SOARES, A. M. Avaliação de cultivares de alho no município de Governador Dix-sept Rosado-RN. 2013. 104f. Dissertação (Mestrado em Agronomia: Área de Concentração em Práticas Culturais) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2013.

VARGAS, V. C. S. et al. Efecto de lainteraccióngenotipo-ambiente sobre la expresión delcontenido de allicina y ácido pirúvico en ajo (Allium sativum L.). Revista FCA UNCuyo, 42: 15-22, 2010.

ZENEBON, O.; PASCUET, N. S. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4. ed. São Paulo, SP: IAL, 2005. 533 p.

Publicado
2020-10-21
Seção
Agronomia