ASPECTOS FISIOLÓGICOS E BIOQUÍMICOS EM VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SUBMETIDAS A ESTRESSE SALINO

Palavras-chave: Trocas gasosas. Saccharum officinarum. Carboidratos. Salinidade.

Resumo

O estresse salino é um dos fatores ambientais que mais limitam a produtividade agrícola no semiárido brasileiro. Considerando-se a expansão da área de cultivo de cana-de-açúcar nesta região, a seleção de variedades cada vez mais adaptadas a este meio ambiente torna-se uma ferramenta fundamental para sua sustentabilidade. Assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar as respostas fisiológicas e bioquímicas de dez variedades de cana-de-açúcar submetidas à salinidade. O experimento foi conduzido em casa de vegetação no delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 6 x 10, com seis níveis de salinidade da água de irrigação (0; 1,0; 2,0; 4,0; 6,0 e 8,0 dS m-1) e dez variedades de cana-de-açúcar (VAT 90212, RB 72454, RB 867515, Q 124, RB 961003, RB 957508, SP 791011, RB 835089, RB 92579 e SP 943206), com três repetições. As águas salinas foram aplicadas a cada dois dias a fim de elevar a umidade do solo à capacidade de campo e promover lixiviação. Aos 90 dias após o plantio foram avaliadas as trocas gasosas, o teor de clorofila e os açucares solúveis totais e redutores das folhas. Os maiores teores de clorofila foram obtidos nas variedades Q 124, RB 96103, RB 835089 e SP 943206. O efeito da salinidade sobre as variedades de cana-de-açúcar influenciou na variação das trocas gasosas, no teor de açúcares solúveis totais e açúcares redutores, demonstrando uma adaptabilidade da planta às condições de estresse submetida. A redução da condutância estomática resultou na diminuição das taxas fotossintéticas de todas as variedades de cana-de-açúcar avaliadas, exceto a RB 867515.

Referências

AINSWORTH, E. A.; BUSH, D. R. Carbohydrate export from the leaf: a highly regulated process and target to enhance photosynthesis and productivity. Plant Physiology, v. 155, n. 1, p. 64-69, 2011.

BARROS, T. H. S. et al. Influence of Sugarcane Genotype and Soil Moisture Level on the Arbuscular Mycorrhizal Fungi Community. Sugar Tech, v. 20, n. 3, p. 1-9, 2018.

BROSCHÉ, M. et al. Stress signaling III: Reactive Oxygen Species (ROS). In: PAREEK, A.; SOPORY, S. K.; BOHNERT, H. J.; GOVINDJEE, G. (Eds.). Abiotic stress adaptation in plants: pysiological, molecular and genomic foundation. Dordrecht: Springer, 2010. p. 91-102.

COMPANHIA BRASILEIRA DE ABASTECIMENTO - CONAB. Acompanhamento da safra brasileira: cana-de-açúcar, safra 2018/19. Terceiro levantamento, Brasília, v. 5, n. 3, p. 1-71, Brasília, DF, 2019. Disponível em: <https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/cana/boletim-da-safra-de-cana-de-acucar>. Acesso em: 6 jan. 2019.

CORREIA, K. G. et al. Crescimento, produção e características de fluorescência da clorofila a em amendoim sob condições de salinidade. Revista Ciência Agronômica, v. 40, n. 4, p. 514-521, 2009.

DIAS, N. S.; BLANCO, F. F. Efeitos dos sais no solo e na planta. In: GHEYI, H. R.; DIAS, N. S.; LACERDA, C. F (Eds.). Manejo da salinidade na agricultura: Estudos básicos e aplicados. Fortaleza: INCT Sal, 2010, v.1, cap. 9, p. 129 – 141.

INMAN-BAMBER, N. G.; SMITH, D. M. Water relations in sugarcane and response to water deficits. Field Crops Research, v. 92, n. 2-3, p. 185-202, 2005.

JAMIL, M. et al. Salinity reduced growth PS2 photochemistry and chlorophyll content in radish. Scientia Agricola, v. 64, n. 2, p. 111-118, 2007.

LEAL, D. P. V. et al. Water productivity for sugar and biomass of sugarcane varieties. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 21, n. 9, p. 618-622, 2017.

LOBO, A. K. M. et al. Compostos nitrogenados e carboidratos em sorgo submetido à salinidade e combinações de nitrato e amônio. Revista Ciência Agronômica, v. 42, n. 2, p. 390-397, 2011.

McCORMICK, A.J.; CRAMER, M.D.; WATT, D.A. Changes in photosynthesis rates and gene expression of leaves during a source-sink perturbation in sugarcane. Annals of Botany, v. 101, n. 9, p. 89-102, 2008.

MESQUITA, A. C. et al. Efeito da aplicação de fontes de nitrogênio em plantas de umbuzeiro propagadas via sexuada e assexuada. Revista SODEBRAS, v. 10. n. 114, p., 2015.

PACHECO, C. M. et al. Differentially Delayed Root Proteome Responses to Salt Stress in Sugar Cane Varieties. Journal of Proteome Research, v. 12, n. 12, p. 13 - 19, 2013.

PAUL, M. J.; PELLNY, T. K. Carbon metabolite feedback regulation of leaf photosynthesis and development. Journal of Experimental Botany, v. 54, n. 382, p. 539-547, 2003.

REDDY, S. J.; AMORIM NETO, M. S. Dados de precipitação, evapotranspiração potencial, radiação solar global de alguns locais e classificação climática do Nordeste do Brasil. Petrolina: Embrapa Semiárido, 1983. 280p.

SIMÕES, W. L. et al. Growth of sugar cane varieties under salinity. Revista Ceres, v. 63, n. 2, p. 265-271, 2016.

SIMÕES, W. L. et al. Respostas de variáveis fisiológicas e tecnológicas da cana-de-açúcar a diferentes sistemas de irrigação. Revista Ciência Agronômica, v. 46, n. 1, p. 11-20, 2015.

SIMÕES, W. L. et al. Sugarcane crops with controlled water deficit in the Sub-Middle São Francisco Valley, Brazil. Revista Caatinga, v. 31, n. 4, p. 963-971, 2018.

TAIZ, L. et al. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2017. 858 p.

TEIXEIRA, P. C. et al. Manual de métodos de análise de solo. 3.ed. Brasília, DF: Embrapa Solos, 2017. 573 p.

WILLADINO, L. et al. Estresse salino em duas variedades de cana-de-açúcar: enzimas do sistema antioxidativo e fluorescência da clorofila. Revista Ciência Agronômica, v. 42, n. 2, p. 417-422, 2011.

Publicado
2019-11-19
Seção
Engenharia Agrícola