MICROGREENS DE REPOLHO ROXO CULTIVADO EM DIFERENTES SUBSTRATOS E CONCENTRAÇÕES DE SOLUÇÃO NUTRITIVA

Palavras-chave: Brassica oleracea var. capitata f. rubra. Microverdes. Rendimento de matéria seca.

Resumo

Microgreens são vegetais jovens, consumidos ainda na fase de plântula, com ciclo curto de produção e necessidade de pequenos espaços para o seu cultivo. O presente estudo teve por objetivo avaliar a produtividade e a qualidade nutricional de microgreens de repolho roxo (Brassica oleracea var. capitata f. rubra) em diferentes substratos comerciais e concentrações de solução nutritiva, em sistema recirculante de irrigação. O experimento foi conduzido em ambiente protegido, no Campus da Faculdade de Agronomia (UFRGS), em Porto Alegre. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, com arranjo fatorial 4x3 com 3 repetições. Os tratamentos foram compostos pelas combinações de quatro substratos comerciais, vermiculita CSC® (S1), S10 Beifiur® (S2), Carolina Soil® mudas (S3) e Carolina Soil Orgânico® (S4) e três concentrações (0, 50 e 100%) de nutrientes na solução nutritiva. As irrigações foram realizadas por sistema de subirrigação. Foram avaliadas a produtividade média de massa fresca (MF) e seca (MS) da parte aérea, altura de plântulas, duração de ciclo (precocidade) teor de sólidos solúveis (TSS), clorofilas e carotenoides totais. Os diferentes substratos não influenciaram sobre as variáveis de produtividade de MF e de MS da parte aérea e altura de microgreens de repolho roxo. A adição de nutrientes à solução nutritiva propicia o aumento destas mesmas variáveis.  O teor de sólidos solúveis e o conteúdo total de carotenoides reduziu com o aumento da concentração da solução nutritiva. A resposta para o conteúdo total de clorofilas foi inconstante entre os substratos e as diferentes concentrações de nutrientes na solução nutritiva.

Referências

ARNON, D. I. Copper enzymes in isolated chloroplasts. Polyphenoloxidase in Beta vulgaris. Plant Physiology, v. 24, n. 1, p. 1, 1949.

BRAZAITYTĖ, A. et al. The effects of LED illumination spectra and intensity on carotenoid content in Brassicaceae microgreens. Food chemistry, v. 173, s/n., p. 600-606, 2015.

BULGARI, R. et al. Yield and quality of basil, Swiss chard, and rocket microgreens grown in a hydroponic system. New Zealand Journal of Crop and Horticultural Science, v. 45, n. 2, p. 119-129, 2017.

CAVINS, T. J. et al. Monitoring and managing pH and EC using the Pour Thru extraction method. Horticulture Information Leaflet, v. 590, s/n., p. 1-17, 2000.

BOODT, M. A. V. O.; VERDONCK, O. The physical properties of the substrates in horticulture. In: III SYMPOSIUM ON PEAT IN HORTICULTURE 26, 1971, Dublin. Proceedings… v. 26, p. 37-44.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FERREIRA, R. R. M. et al. Efeitos de sistemas de manejo de pastagens nas propriedades físicas do solo. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 4, p. 913-932, 2010.

GRUSZYNSKI, C. Resíduo agro-industrial “Casca de Tungue” como componente de substrato para plantas. 2002. 99 f. 2002. (Doutorado em Fitotecnia: Área de concentração em produção Vegetal) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

JANOVSKÁ, D.; STOCKOVÁ, L.; STEHNO, Z. Evaluation of buckwheat sprouts as microgreens. Acta Agriculturae Slovenica, v. 95, n. 2, p. 157, 2010.

KÄMPF, A. N. Produção comercial de plantas ornamentais. 2 ed. Guaíba, RS: Agrolivros, 2005. 254 p.

KÄMPF, A. N.; FERMINO, M. H. Substratos para plantas: a base da produção vegetal em recipientes. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATOS PARA PLANTAS, 2000, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: GÊNESIS. 2000. p. 112-121

KLEIN, C. et al. Caracterização química e física de substratos para a produção de mudas de alface. Agropecuária Gaúcha, v. 18, n. 2, p. 110, 2012.

KOPSELL, D. A. et al. Shoot tissue pigment levels increase in ‘Florida Broadleaf’mustard (Brassica juncea L.) microgreens following high light treatment. Scientia Horticulturae, v. 140, n. 1, p. 96-99, 2012.

KOPSELL, D. A.; KOPSELL, D. E. Fruits and Vegetables. In: WATSON, R. R; PREEDY, V. R. (Eds.). Bioactive Foods in Promoting Health: Fruits and Vegetables. San Diego: Academic Press, 2010. v.1, cap. 6, p 645-662.

LICHTENTHALER, H. K. Chlorophylls and carotenoids: pigments of photosynthetic biomembranes. In: Methods in enzymology. Cambridge: Academic Press, 1987, v. 148, p. 350-382.

MACIEL, G. M. et al. Influência da época de colheita no teor de sólidos solúveis em frutos de minitomate. Scientia Plena, v. 11, n. 12, p. 1-6, 2015.

MARENCO, R. A.; JESUS, S. V. de. O SPAD-502 como alternativa para a determinação dos teores de clorofila em espécies frutíferas. Acta Amazonica, v. 38, n. 4, p. 815–818, 2008.

SAMUOLIENĖ, G. et al. Blue light dosage effects carotenoids and tocopherols in microgreens. Food chemistry, v. 228, s/n., p. 50-56, 2017.

SAMUOLIENĖ, G. et al. Red light-dose or wavelength-dependent photoresponse of antioxidants in herb microgreens. PloS one, v. 11, n. 9, p. e0163405, 2016.

SANTOS, O. S. et al. Produção de forragem hidropônica de cevada e milho e seu uso na alimentação de cordeiros. 1. ed. Santa Maria, RS: UFSM/CCR, 2004. (Informe Técnico).

SCHÄFER, GILMAR; SOUZA, PVD de; FIOR, CLAUDIMAR SIDNEI. Um panorama das propriedades físicas e químicas de substratos utilizados em horticultura no sul do Brasil. Ornamental Horticulture, v. 21, n. 3, p. 299-306, 2015.

SIRTAUTAS, R. et al. The impact of supplementary short-term red LED lighting on the antioxidant properties of microgreens. In: VII INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON LIGHT IN HORTICULTURAL SYSTEMS, 2012, Wagening. v. 956, p. 649-656.

SOARES, C. D. F. et al. Processamento mínimo de espinafre Nova Zelândia. Revista Iberoamericana de Tecnología Postcosecha, v. 17, n. 2, p. 296-306, 2016.

SOBREIRA, F. M. et al. Taste quality of salad and cherry tomatoes and their relationship with the morphoagronomic characteristics of the fruits. Ciência e Agrotecnologia, v. 34, n. 4, p. 1015-1023, 2010.

XIAO, Zhenlei et al. Microgreens of Brassicaceae: Mineral composition and content of 30 varieties. Journal of Food Composition and Analysis, v. 49, n. 31, p. 87-93, 2016.

Publicado
2019-11-19
Seção
Agronomia