QUALIDADE FISICO-QUIMICA DE FRUTOS DE ACEROLEIRA IRRIGADO COM ÁGUAS SALINAS E ADUBAÇÃO FOSFATADA

Palavras-chave: Malpighia emarginata. Irrigação, Salinidade. Nutrição mineral.

Resumo

No semiárido do Nordeste brasileiro devido à escassez qualitativa e quantitativa dos recursos hidricos o uso de água salina deve ser considerado como uma alternativa para expandir a agricultura irrigada. Contudo, a utilização de águas com níveis elevados de sais depende de práticas de manejo que minimizem os efeitos deletérios sobre as plantas. Neste contexto, objetivou-se avaliar os efeitos da irrigação com água de salinidade crescente e adubação com fósforo na composição físico-química pós-colheita dos frutos in natura de aceroleira ‘BRS 366 Jaburu’. A pesquisa foi realizada em ambiente protegido, em lisímetros com Neossolo Regolítico Psamitico Típico de textura franco-argilosa, utilizando-se o delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial 5x2 com três repetições e uma planta por parcela, relativo aos cinco níveis de condutividade elétrica da água de irrigação de 0,6; 1,4; 2,2; 3,0 e 3,8 dS m-1 e duas doses de fósforo de 100 e 140% da recomendação de Musser. O aumento da salinidade das águas reduziu o tamanho dos frutos e a formação de massa fresca, mas aumentou os teores de sólidos solúveis e acidez titulável da polpa dos frutos de aceroleira. A adubação fosfatada, independente da dose estimulou a formação de massa fresca de frutos de aceroleira. A salinidade das águas inibiu a formação de ácido ascórbico dos frutos de aceroleira sendo maior valor observado nas plantas irrigadas com água de 0,6 dS m-1 adubadas com dose de 100% da recomendação de P2O5.

Referências

ACOSTA-MOTOS, J. R. et al. Plant responses to salt stress: Adaptive mechanisms. Agronomy, 18: 1-38, 2017.

ALVARENGA, C. F. S. Morfofisiologia de aceroleira irrigada com águas salinas sob combinações de doses de nitrogênio e potássio. Revista de Ciências Agrárias, 42: 194-205, 2019.

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS – AOAC. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists, (method 942.15 A). Arlington: A. O. A. C,1995. chapter 37. 10 p.

AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. 2. ed. Campina Grande, PB: UFPB. 1999. 153 p.

BEZERRA, I. L. et al. Water salinity and nitrogen fertilization in the production and quality of guava fruits. Bioscience Journal, 35: 837-848, 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa n°1 de 07 de janeiro de 2000. Padrão de identidade e qualidade para polpas de frutas. 2000. 26 p.

CANUTO, G. A. B. et al. Caracterização físico-química de polpas de frutos da Amazônia e sua correlação com a atividade anti-radical livre. Revista Brasileira de Fruticultura, 32: 1196-1205, 2010.

COSTA, M. E. et al. Estratégias de irrigação com água salina na mamoneira. Revista Ciência Agronômica, 44: 34-43, 2013.

DALCHIAVON, F. C.; NEVES, G.; HAGA, K. Efeito de stresse salino em sementes de Phaseolus vulgaris. Revista de Ciências Agrárias, 39: 404-412, 2016.

DIAS, A. S. et al. Gas exchanges and photochemical efficiency of West Indian cherry cultivated with saline water and potassium fertilization. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 22: 628-633, 2018.

DIAS, T. J. et al. Qualidade química de frutos do maracujazeiro-amarelo em solo com biofertilizante irrigado com águas salinas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15: 229-236, 2011.

DUARTE, H. H. F.; SOUZA, E. R. Soil Water Potentials and Capsicum annuum L. under Salinity. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 40: e0150220, 2016.

FERREIRA, D. F. Sisvar: um sistema computacional de análise estatística. Ciência e Agrotecnologia, 35: 1039-1042, 2011.

FREIRE, J. L. O. et al. Atributos qualitativos do maracujá amarelo produzido com água salina, biofertilizante e cobertura morta no solo. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 5: 102-110, 2010.

FREIRE, J. L. O. et al. Quality of yellow passion fruit juice with cultivation using different organic sources and saline water. Idesia, 32: 79-87, 2014.

HUANG, H. et al. Mechanisms of ROS regulation of plant development and stress responses. Frontiers in Plant Science, 10: 1-10, 2019.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ – IAL. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3. ed. São Paulo, SP: IMESP, 2008. 1020 p.

LIMA, G. S. et al. Effects of saline water and potassium fertilization on photosynthetic pigments, growth and production of West Indian Cherry. Revista Ambiente & Água, 13: e2164, 2018.

LIMA, G. S. et al. Water relations and gas exchange in castor bean irrigated with saline water of distinct cationic nature. African Journal of Agricultural Research, 10: 1581-1594, 2015.

MONTEIRO, C. S. et al. Qualidade nutricional e antioxidante do tomate “tipo italiano. Alimentos e Nutrição, 19: 25-31, 2008.

MUSSER, R. S. Tratos culturais na cultura da acerola. In: SÃO JOSÉ, A. R.; ALVES, R. E. (Eds.). Acerola no Brasil: Produção e mercado. Vitória da Conquista, BA: UESB, 1995. cap. 3, p. 47-52

NASCIMENTO, J. A. M. et al. Biofertilizante e adubação mineral na qualidade de frutos de maracujazeiro irrigado com água salina. Irriga, 20: 220-232, 2015.

NASSER, M. D.; ZONTA, A. Caracterização de frutos de genótipos de aceroleira em função de estádios de maturação. Revista Tecnologia & Ciência Agropecuária, 8: 76-78, 2014.

OLIVEIRA, A. S. L. Growth and photosynthetic efficiency of Atriplex nummularia under different soil moisture and saline tailings. Revista Caatinga, 32: 493-505, 2019.

OLIVEIRA, F. R. A. et al. Interação entre salinidade e fósforo na cultura do rabanete. Revista Ciência Agronômica, 41: 519-526, 2010.

SÁ, F. V. S. Ecofisiologia da aceroleira irrigada com água salina sob adubação com fósforo e nitrogênio. 2018. 145 f. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola: Área de concentração em Irrigação e Drenagem), Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2018.

SÁ, F. V. S. et al. Fisiologia da percepção do estresse salino em híbridos de tangerineira - Sunki Comum sob solução hidropônica salinizada. Comunicata Scientiae, 6: 463-470, 2015.

SÁ, F. V. S. Morfofisiologia de plantas de feijão-caupi sob estresse salino e adubação fosfatada. 2016. 94 f. Dissertação (Mestrado em Manejo de Solo e Água: Área de concentração Engenharia de Água e solo). Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2016.

SEGTOWICK, E. C. S.; BRUNELLI, L. T.; VENTURINI FILHO, W. G. Avaliação físico-química e sensorial de fermentado de acerola. Brazilian Journal of Food Technology, 16: 147-154, 2013.

SILVA, L. A. et al. Mecanismos fisiológicos de percepção do estresse salino de híbridos de porta-enxertos citros em cultivo hidropônico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18: 1-7, 2014.

TAIZ, L. et al. Plant physiology and development. 6.ed. New York: Sinauer Associates, 2015. 761 p.

TEIXEIRA, P. C. et al. Manual de métodos de análise de solos. 3.ed. rev. ampl. Rio de Janeiro, RJ: Embrapa Solos, 2017. 573 p.

TERCEIRO NETO, C. P. C. et al. Produtividade e qualidade de melão sob manejo com água de salinidade crescente. Pesquisa Agropecuária Tropical, 43: 354-362, 2013.

TRIPATHY, B. C.; OELMULLER, R. Reactive oxygen species generation and signaling in plants. Plant Signaling & Behavior, 7: 1621-1633, 2012.

YAMASHITA, F. et al. Produtos de acerola: estudo da estabilidade de vitamina C. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 23: 92-94, 2003.

ZHANG, P.; SENGE, M.; DAI, Y. Effects of salinity stress on growth, yield, fruit quality and water use efficiency of tomato under hydroponics system. Reviews in Agricultural Science, 4: 46-55, 2016.

Publicado
2020-02-14
Seção
Engenharia Agrícola