CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DE GENÓTIPOS DE GERGELIM SOB DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE APLICAÇÃO DE ÁGUA SALINA

Palavras-chave: Sesamum indicum L.. Estresse salino. Qualidade de água.

Resumo

Em áreas semiáridas, a escassez de água de baixa concentração de sais associado à irregularidade de precipitações, tornam-se um fator limitante para garantir a produção agrícola. Neste contexto, objetivou-se com este trabalho avaliar o crescimento e a produção de genótipos de gergelim sob diferentes estratégias de uso de águas salinas. O experimento foi desenvolvido sob condições de ambiente protegido, utilizando-se o delineamento de blocos casualizados em esquema fatorial 6 x 2, sendo os tratamentos constituídos de seis estratégias de uso de águas salinas aplicadas nos diferentes estádios de desenvolvimento das plantas (SE - irrigação com água de baixa salinidade durante todo ciclo de cultivo; VE, FL, FR, VE/FL e VE/FR - irrigação com água de alta salinidade, respectivamente na fase vegetativa, floração,  frutificação, vegetativa/floração e  vegetativa/frutificação) e dois genótipos de gergelim (BRS Seda e BRS Anahí), com 4 repetições. A irrigação com água de elevada salinidade (CEa=2,7 dS m-1) durante as fases vegetativa, floração e de frutificação, não comprometeu a produção do gergelim. Houve redução do crescimento quando a irrigação com água de elevada salinidade foi realizada na fase de floração e de forma contínua nas fases vegetativa/floração e na produção durante as fases vegetativa/floração e vegetativa/frutificação. O maior crescimento nas plantas de gergelim BRS Seda resultou em incremento no número total de frutos e na massa de sementes total.

 

Referências

ALVARENGA, C. F. S. et al. Morfofisiologia de aceroleira irrigada com águas salinas sob combinações de doses de nitrogênio e potássio. Revista de Ciências Agrárias, 42: 194-205, 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília, DF: Mapa/ACS, 2009. 399 p.

COSTA, M. E. et al. Estratégias de irrigação com água salina na mamoneira. Revista Ciência Agronômica, 44: 34-43, 2013.

DIAS, A. S. et al. Emergence, growth and production of sesame under salt stress and proportions of nitrate and ammonium. Revista Caatinga, 30: 458-467, 2017.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Gergelim, BRS Seda. 1. ed. Campina Grande, PB: Embrapa Algodão, 2007. 2 p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Gergelim, BRS Anahí. 1 ed. Campina Grande, PB: Embrapa Algodão, 2015. 2 p.

FERREIRA, D. F. SISVAR: A computer analysis system to fixed effects split plot type designs. Revista Brasileira de Biometria, 37: 529-535, 2019.

GUEDES, R. A. A. et al. Estratégias de irrigação com água salina no tomateiro cereja em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19: 913-919, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Agropecuário, 2017 https://sidra.ibge.gov.br/Busca?q=GERGELIM>. Acesso em: 03 mar. 2020.

JESUS, L. L. et al. Teste de tetrazólio para sementes de Sesamum indicum. Revista de Ciências Agrárias, 38: 422-428, 2015.

LACERDA, C. F. et al. Eficiência de utilização de água e nutrientes em plantas de feijão-de-corda irrigadas com água salina em diferentes estádios de desenvolvimento. Engenharia Agrícola, 29: 221-230, 2009.

LIMA, G. S. de et al. Castor bean production and chemical attributes of soil irrigated with water with various cationic composition. Revista Caatinga, 29: 54-65, 2016.

MACHADO, R. M. A.; SERRALHEIRO, R. P. Soil salinity: Effect on vegetable crop growth: Management practices to prevent and mitigate soil salinization. Horticulturae, 30: 1-13, 2017.

MARSCHNER, H. Mineral nutrition of higher plants. 3. ed. New York, Academic Press. 2011. 672 p.

NOBRE, D. A. C. et al. Qualidade da semente do gergelim preto (Sesamum indicum L.) em diferentes épocas de colheita. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 15: 609-616, 2013.

NOVAIS, R. F.; NEVES, J. C. L.; BARROS, N. F. Ensaio em ambiente controlado. In: Oliveira, A. J. (Ed.) Métodos de pesquisa em fertilidade do solo. Brasília: Embrapa-SEA, 1991. cap. 12, p. 189-253.

RICHARDS, L. A. Diagnosis and improvement of saline and alkali soils. Washington: U.S, Department of Agriculture. 1954. 160 p.

SILVA, J. L. A. et al. Uso de águas salinas como alternativa na irrigação e produção de forragem no semiárido nordestino. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 18: 66-72, 2014.

SILVA, L. C. et al. Um método simples para se estimar área foliar de plantas de gergelim (Sesamum indicum L.). Revista de Oleaginosas e Fibrosas, 6: 491-496, 2002.

SILVA, S. S. et al. Gas exchanges and production of watermelon plant under salinity management and nitrogen fertilization. Pesquisa Agropecuária Tropical, 49: e54822, 2019.

SOARES, L. A. A. et al. Growth and fiber quality of colored cotton under salinity management strategies. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 22: 332-337, 2018a.

SOARES, L. A. A. et al. Physiology and production of naturally-colored cotton under irrigation strategies using salinized water. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 53: 746-755, 2018b.

SOUSA, G .G. et al. Estresse salino em plantas de feijão-caupi em solo com fertilizantes orgânicos. Revista Agro@mbiente On-line, 8: 359-367, 2014.

TEIXEIRA, P. C. et al. Manual de métodos de análise de solo. 3. ed. Brasília, DF: Embrapa, 2017. 573 p.

TERCEIRO NETO, C. P. C. et al. Crescimento do meloeiro ‘pele de sapo’ irrigado com água salobra com diferentes estratégias de manejo. Revista Caatinga, 27: 87-100, 2014.

TERCEIRO NETO, C. P. C. et al. Produtividade e qualidade de melão sob manejo com água de salinidade crescente. Pesquisa Agropecuária Tropical, 43: 354-362, 2013.

Publicado
2020-05-22
Seção
Engenharia Agrícola